Resenhas

Cursed – A Lenda do Lago, de Thomas Wheeler e Frank Miller | Resenha

24 outubro, 2020 por

Uma nova versão da famosa lenda do Rei Arthur. Diferente de todas as outras já contadas. Como seria se a espada destinada ao verdadeiro rei fosse, na verdade, empunhada por uma rainha? Essa é a premissa de Cursed – A Lenda do Lago, escrito por Thomas Wheeler e ilustrada por Frank Miller, publicado aqui pela HarperCollins.

Na trama, a jovem Nimue sempre precisou lidar com a resistência e a exclusão pelo povo de sua aldeia druida. Tudo porque ela foi marcada por magia maléfica, o que assustava e afastava a vizinhança. O que Nimue mais desejava era ir embora dali, até que, um dia, seu vilarejo foi surpreendido pelos Paladinos Vermelhos, que causaram uma barbárie e marcaram a vida dela para sempre. Antes de morrer, sua mãe confiou a ela uma antiga espada e a orientou a levá-la para um lendário feiticeiro. Com isso, ela se tornou a única esperança do povo féerico. Além da responsabilidade que passou a carregar, Nimue precisa aprender a lidar também com a sede de vingança que cresce dentro de si, juntamente com a sua magia. No meio do caminho, ela conhece o mercenário Arthur e une a ele e a um grupo de refugiados féericos para enfrentar os Paladinos. E é com eles que ela terá que vingar a morte de sua família, lutar pelo seu povo e pelo seu destino.

Eu sou completamente apaixonada por qualquer coisa relacionada à lenda do Rei Arthur e dos Cavaleiros da Távola Redonda. Portanto, assim que a HarperCollins anunciou essa versão, sob uma ótica feminina, fiquei absolutamente ansiosa para adquiri-la. Minhas expectativas estavam muito altas. E, talvez, esse tenha sido o problema.  A ideia da obra é fantástica – até porque as mulheres desse universo são incríveis, fortes e poderosas -, mas a execução infelizmente não foi das melhores. Nimue tinha muito potencial pra ser aquela protagonista inesquecível, sabe? Contudo, não foi bem explorada. Aliás, como nenhum personagem, nenhuma trama, foi.

Entendo que Nimue tem apenas 16 anos, sofreu um enorme trauma e precisou lidar com muita coisa ao mesmo tempo, bem como com uma enorme responsabilidade, quase um fardo. Mas nada justifica algumas atitudes completamente impensadas e impulsivas, que colocavam desnecessariamente não apenas a sua vida em risco, mas a de quem a seguia. Isso dificultava um pouco para simpatizar totalmente com a personagem – ainda que ela realmente tenha se mostrado altiva e destemida, o que eu adorei e admirei, ao longo da leitura. Mas, assim como os outros personagens, senti que Nimue precisava de um melhor desenvolvimento. Dá para perceber nitidamente o arco do herói sendo construído, mas não foi bem concluído.

Por falar nisso, Cursed peca por algo que, a princípio, eu até achei positivo, mas, ao longo do livro, foi bastante prejudicial. Com uma quantidade significativa de tramas paralelas, o texto acabou ficando superficial. Quando eu achava que estava evoluindo ou que a história seria mais aprofundada, “puft”, era cortada e passava para outra. E, então, da metade para o final, tudo foi acontecendo ao mesmo tempo num ritmo completamente alucinante. Sempre instigando o leitor, até que, do nada, pronto, acabou. Assim. Sem mais nem menos. Literalmente no MEIO DO CIRCO PEGANDO FOGO. Das tramas políticas se desenvolvimento, das negociações, traições e tudo o mais que a gente queria ver. E estava BOM. Eu estava eufórica e empolgada com os acontecimentos. Fiquei bem uns cinco minutos parada olhando para o livro quando concluí a leitura e ainda reli as últimas páginas porque eu só podia ter deixado passar alguma coisa. Não era possível que a história terminasse daquele jeito. Se é que podemos considerar aquilo um final. O livro foi adaptado para a TV na série homônima da Netflix, e eu espero que, pelo menos por lá, a gente tenha qualquer conclusão com algumas temporadas a mais. Corri para as redes da HarperCollins depois certa de que iria ver algum anúncio de continuação do livro, mas qual não foi a minha surpresa ao ver eles responderem os outros leitores sobre isso afirmando se tratar de um VOLUME ÚNICO.

Quanto as associações e adaptações dos personagens da lenda para a história, eu gostei. Achei algumas fantásticas, inclusive. Sou contra taxar que há uma versão original ou definitiva de Rei Arthur porque, até então, não há. Portanto, eu curti muito algumas liberdades criativas tomadas porque, ainda assim, não fugiram muito da essência desses personagens. E, por isso mesmo, novamente sou obrigada a reclamar da falta de desenvolvimento e de construção de alguns deles. Principalmente de Arthur e de Lanceloti, que, para mim, tinha um dos melhores arcos de todos! Queria mais. E não tive. E isso foi bem frustrante porque são personagens incríveis com uma premissa muito boa. O destaque, pra mim, foram as personagens femininas. Fortes, corajosas e donas de si. Do jeito que têm que ser. Não vou me estender muito para não dar spoiler, mas adorei a forma como retrataram a Morgana, uma das minhas preferidas de qualquer versão. Sem estereótipos nem julgamentos.

Quanto às ilustrações, conheço e sei da importância da obra de Frank Miller, mas confesso que, em Cursed, pra mim, as ilustrações não funcionaram. Pelo contrário. Eram até bem diferentes das próprias descrições da história. Eu queria muito que esta resenha fosse mais positiva e que Cursed e Nimue com a espada fosse tudo aquilo que eu imaginava que seria. Mas infelizmente perderam a chance de fazer algo realmente inovador. E eu não aceito aquele final se o livro for realmente um volume único. Uma história fascinante, personagens únicos. O livro, em si, não é ruim (tanto que eu realmente fiquei empolgada em vários momentos), mas faltou “acabamento”. As tramas mereciam ser melhor trabalhadas e desenvolvidas. É uma pena.

Título: Cursed – A Lenda do Lago | Autor: Thomas Wheeler e Frank Miller | Tradutor: André Gordirro Editora: HarperCollins | Páginas: 416

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário