Resenhas

O Livro de Líbero, de Alfredo Nugent Setubal | Resenha

O que você faria se tivesse o livro da sua vida nas mãos? Líbero teve a oportunidade, mas será que fez a melhor escolha? Venha conhecer O Livro de Líbero!

Escrito pelo brasileiro Alfredo Nugent Setubal, O Livro de Líbero faz parte da caixa 18 (março/2020) do Intrínsecos, clube de leitura da editora Intrínseca. A publicação narra a história de Líbero, um garoto de 11 anos que fica deslumbrado com a chegada do Circo Bosendorf à sua pacata, talvez, menor cidade do mundo, Pausado. Embora tenha crescido imerso em aventuras literárias, naquela noite, será oferecido ao menino um livro diferente de tudo o que ele já viu. Um volume grosso, de capa vermelha e, a cada página virada, a oportunidade de ler eventos do próprio futuro, reescrito em diferentes versões.

Curioso e com uma ânsia em desbravar o mundo, Líbero vive uma série de dilemas sobre o seu futuro: a disputa e influência dos pais – com ideias completamente opostas – sobre qual caminho o garoto deve seguir na vida adulta, a descoberta do amor e as dúvidas inerentes à formação da identidade. E, naquela noite, no circo, com o livro da sua vida, tudo mudará. Ele nunca mais será o mesmo.

Com personagens extremamente cativantes, O Livro de Líbero envolve o leitor logo nas primeiras páginas. Genuínos, cada um à sua maneira, eles aguçam a curiosidade do público em vivenciar as suas jornadas. E o que falar de Pausado? A história não poderia passar em um ambiente mais encantador. Setubal consegue transmitir toda a essência e charme de uma cidadezinha do interior no texto. É tudo muito nítido! Mágico!

Narrado sobre duas perspectivas – a primeira parte, O Dia do Circo, por Baltazar, homem que entrega o livro ao Líbero, e a segunda, intitulada A Debandada, pelo amigo Rubio -, O Livro de Líbero começa na magia do circo, no frescor da juventude, nas descobertas, para, depois, mergulhar num mundo sombrio. O leitor sente a ruptura no tom. Há uma quebra de expectativa e, em um dado momento, parece que estamos lendo dois livros distintos.

O Livro de Líbero fala sobre caminhos. Quem vamos ser no futuro depende das nossas escolhas do passado. É muito reflexivo.  Destaquei vários quotes, inclusive. A primeira parte é impecável. Uma obra-prima! O autor transita muito bem no lúdico para abordar os dilemas do protagonista. Com isso, a leitura se torna uma experiência fantástica.  Daquelas que você fecha o livro e ainda fica em transe por alguns minutos.

A segunda parte, mesmo com um tom mais sombrio, revela muitos mistérios da obra, mantendo o apetite voraz do leitor. Mesmo na tristeza, ainda há muita beleza. É compreensível a mudança no tom da narrativa, a melancolia. Entretanto, é impossível não sentir um certo ar de nostalgia daquele livro que ficou para traz.

O grande problema da segunda parte é que ela antecede a primeira. E o autor não soube trabalhar o texto com a mesma precisão cirúrgica da anterior. O texto é incrível? É. Impecável? Nem tanto. Existe uma linha tênue entre loucura e sanidade e houve um momento específico, porém, crucial, em que faltou um pouco daquele texto redondinho. Extrair a beleza da tristeza é bem mais complicado. Talvez, alguns trechos finais do livro precisassem ser mais lapidados. Só isso.

Escolhas. Líbero fez as dele. O autor também. Esperava um outro ruma para história. Esperava o resgate da leveza. Da magia. Fiquei um pouco frustrado? Sim. Entretanto, o final é coerente com a proposta. O Livro de Líbero traz uma mensagem interessante. No fim, é o que importa. Um belo livro!

Título: O Livro de Líbero | Autor: Alfredo Nugent Setubal | Editora: Intrínseca | Páginas: 256

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.