Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos: as melhores HQs

Ilustrações, histórias, personagens. Muitos talentos revelados, outros imortalizados.

Os quadrinhos são uma arte. E, nesta quarta-feira, 30, em que se comemora o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos, não poderíamos deixar a data passar em branco.

Nós, do Vai Lendo, também somos muito fãs do formato e, para celebrar, a Carol e a Isa preparam uma lista com algumas das suas HQs preferidas!

Já leu? Não, então já pode separar o lugar na estante:

 

born cartolla

Born Cartolla, de Levi Tonin

Galla Cartolla é uma misteriosa viajante mágica, cuja bagagem é apenas o chapéu. Perdida em trilhas mundo a fora, sua jornada se vê em um ponto crucial ao encontrar Terry MAC Éan, um garoto cego, vítima da mais temida criatura mágica, a Sombra absurda. Com seu sangue mágico a jovem cura Terry, trazendo sua visão de volta. Prometendo apresentar os mais diversos lugares pelo mundo, ambos partem numa breve viagem, mas que alterará todo o equilíbrio do mundo mágico.

Amarrada a grandes decisões, influenciada por anseios insondáveis, a Cartolla reacende ao universo viajante para evitar seu declínio total, enquanto Terry, vislumbrando o novo mundo, deseja abandonar a forma humana, se tornando viajante. Criaturas misteriosas, organizações revolucionárias mágicas, chapéus milagrosos, tudo vale no mundo mágico de Born Cartolla onde só o inimaginável tem vez.

Essa HQ me prendeu desde a primeira página e, quando terminei de ler a última, fiquei sem saber o que fazer. Então, eu voltei à primeira página e li tudo de novo.

 

Nimona, de Noelle Stevenson

A graphic novel protagonizada pela anti-heroína mais surpreendente, kick-ass e fora dos padrões que você vai conhecer.

Nimona é uma metamorfa sem limites nem papas na língua, cujo maior sonho é ser comparsa de Lorde Ballister Coração-Negro, o maior vilão que já existiu. Mas ela não sabia que seu herói possuía escrúpulos. Menos ainda uma deliberada missão.

Até conhecer Nimona, Ballister fazia planos que jamais davam certo. Felizmente, a garota tem muitas sugestões para reverter esse quadro. Infelizmente, a maioria envolve explosões, sangue e mortes. Agora, Coração-Negro não só tem que enfrentar seu arqui-inimigo e ex-amigo, o célebre e heroico Sir Ambrosius Ouropelvis, mas também impedir que a fiel comparsa destrua todo o reino ao tentar ajudá-lo.

Uma história subversiva e irreverente que mistura magia, ciência, ação e muito humor sobre camadas e mais camadas de reflexão; entre uma batalha e outra, é claro.

A arte não é a mais bonita de se olhar, mas a história é tão linda que, mesmo se fossem bonecos de pauzinhos, eu iria me apaixonar.

 

Deuses Americanos, de Neil Gaiman, P. Craig Russell e Scott Hampton

Em Sombras, Shadow Moon está completamente perdido. Recém-saído da prisão, o homem descobre que sua esposa morreu em um trágico acidente de carro. No caminho para o funeral, ele conhece o enigmático sr. Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido.

O livro foi feito em parceria com Scott Hampton e P. Craig Russell, dois dos quadrinistas mais conceituados da atualidade.

Além disso, o volume traz extras para nenhum fã botar defeito, como esboços dos quadrinhos e estudos de personagens, layouts originais e também capas de artistas renomados , como Fábio Moon, David Mack, Becky Cloonan e Glenn Fabry.

Sou fã do Neil Gaiman e isso não é surpresa para ninguém.

 

Okko, HUB (vários autores)

Uma exótica e fantástica versão do Japão feudal trazida pelo Selo Gold Edition. O místico Império de Pajão é uma terra de samurais, katanas, deuses e magias, que não deixa de ter sua semelhança com a Terra do Sol Nascente. Na Era Asagiri, também chamada de Tempo das Neblinas, inúmeros clãs lutam para conquistar toda o Pajão, causando inúmeros conflitos que assolam a nação. Longe dos campos de batalha, Okko, ronin excepcionalmente habilidoso, lidera um grupo de caçadores de demônios dos quais fazem parte Noburo, o misterioso gigante mascarado e o monge bêbado Noshin, com poderes de conjurar espíritos da natureza. Quando a irmã de Tikku, a gueixa Pequena Carpa é raptada por piratas, o jovem pescador convence o bando a ajudá-lo, mas essa busca terá seu preço e os levará para o centro de uma grande aventura. Okko – o Ciclo da Água é uma história completa, assim como o primeiro volume na popular saga criada por HUB (Humbert Chabuel), apresentando um mundo cheio de elementos nipônicos tradicionais com um toque sobrenatural e fantástico. Tudo é amarrado pelo belíssimo traço do autor, que com sua riqueza em detalhes capta todas as nuances deste universo mágico. Okko traz um Japão reimaginado e reinterpretado por um europeu apaixonado por sua riqueza cultural.

A arte é linda e a história é excelente. É o tipo de livro que te prende e faz o que tem que fazer, que é te entreter.

Bear – Volume 1, de Bianca Pinheiro

A pequena Raven tem um problema: de algum modo ela conseguiu se perder de seus pais e de seu lar. Em sua busca, ela se depara com um urso marrom (ou seria alaranjado?) que, apesar de rabugento, aceita ajudá-la nessa empreitada. A jornada desses dois acaba de começar.

 

Arroz, de Alê Presser

A HQ fala sobre amizade e sobre as mudanças que as pessoas exercem em nossas vidas.

 

Paper Girls, de Brian K VaughanCliff ChiangMatthew WilsonJared K. Fletcher

Na madrugada depois do Dia das Bruxas de 1988, quatro entregadoras de jornal de 12 anos descobrem o que pode ser a história mais importante de todos os tempos. Drama suburbano, ficção científica, viagem no tempo e mistérios sobrenaturais colidem nessa série sobre nostalgia, primeiros empregos e os últimos dias da infância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.