Confissões de Uma Garota Excluída

Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças | Arqueiro

Podem comemorar: o novo livro da Thalita Rebouças chegou às livrarias brasileiras!!! \o/ Lançado pela editora Arqueiro, Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática promete prender o leitor do começo ao fim, abordando o bullying e os dilemas da adolescência com a leveza, humor e respeito característicos da autora.

Leia a recente entrevista que Thalita concedeu ao jornal O Globo, onde fala de Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática e da adaptações cinematográficas que estão por vir.

Sinopse Oficial:

Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz.

O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa… O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes… Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

Erick, o príncipe, jamais me notaria. Nem que eu nascesse mil vezes. Fiquei imaginando o divo causando em todas as meninas do mundo o que ele causava em mim. Certeza de que todas as garotas da escola já sonharam, por um momento, chamá-lo de namorado. Dizem que a adolescência é a época das paixões impossíveis. Eu não estava apaixonada, claro que não. Ou estava? Não! Não estava! Mas como me fazia bem pensar no Erick. Mesmo na impossibilidade de algum dia ser olhada por ele como eu o olhava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.