A Mulher na Janela, de A. J. Finn | Resenha

livro:
A. J. Finn

Reviewed by:
Rating:
3
On 14/06/2018
Last modified:19/06/2018

Summary:

Uma leitura envolvente, que peca na previsibilidade.

‘A Mulher na Janela’:  aquele suspense que não dá para largar

É possível acreditar em tudo aquilo que se vê? Ou tudo não passa de um equívoco? A Mulher na Janela, de A. J. Finn, publicado pela editora Arqueiro, apresenta a perturbadora história de Anna Fox que, ao bisbilhotar a janela do vizinho, acaba vendo mais do que deveria. Parece que os Russells – novos moradores da casa do outro lado do parque – não são o que aparentam. Mas será que ela não está imaginando coisas?

Anna é uma psicóloga infantil que vivia aparentemente  feliz com marido e filha, porém, após a separação, ela ficou sozinha na bela casa onde morava com toda a família e passou a sofrer de agorafobia – transtorno psicológico onde o paciente tem um medo mórbido de se achar sozinho em grandes espaços abertos ou de atravessar lugares públicos. Reclusa, ela passa os dias bebendo, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e… espionando os vizinhos.

A personagem em si já é intrigante, e os seus dramas envolvem o leitor: seja pela condição em que ela se encontra, por sua doença, traumas, medos e pelo seu hobby de bisbilhotar a vida alheia (quem nunca? – risos). É fascinante! Outro detalhe que chama a atenção é que ela, como psicóloga, conhece bem o próprio transtorno e a forma como ela lida é muito bem desenvolvida no livro.

A agorafobia é incorporada à trama como um elemento instigante ao suspense. Não tem aquele didatismo chato e também passa longe de ser superficial. O autor consegue um equilíbrio fantástico de apresentar o transtorno e incorporar, com muita naturalidade, à história. Sendo honesto, pouco conhecia a doença antes da leitura.

A Mulher na Janela segue à risca a receita de um bom thriller capaz de arrebatar o público: com ótimos personagens, leitura envolvente, reviravoltas e bom texto, mas falta aquele toque especial para deixar os leitores de queixo caído. Aquele elemento surpresa que transforma a experiência em algo inesquecível.

A. J. Finn desenvolve a fórmula tão bem que acaba sendo previsível, em quase todos os aspectos. O texto é excelente, prende o leitor, mas fica fácil adivinhar o que vai acontecer em seguida. E, para uma trama que se baseia no suspense, isso particularmente me decepciona. Afinal, o leitor do gênero, além de adivinhar, gosta de ser surpreendido. Eu, particularmente, prefiro a segunda opção.

Sem dúvidas, A Mulher na Janela é um trabalho muito bem executado. Uma leitura daquelas que não dá para largar. Os capítulos curtos, a edição precisa e a boa história vão cativar o público.

Uma leitura envolvente, que peca na previsibilidade.

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.