Irmãos de Sangue – Trilogia A Sina do Sete – Livro 1, de Nora Roberts | Resenha

book:
nora roberts

Reviewed by:
Rating:
4
On 28/08/2017
Last modified:02/09/2017

Summary:

Nora volta às suas origens para novamente nos encantar com a sua narrativa mágica!

‘Irmãos de Sangue’ é Nora sendo Nora: mágica e encantadora

Família. Relações tão intensas que transcendem os laços sanguíneos.

Amor. Uma força tão poderosa que desperta a magia adormecida capaz de desenvolver os mais variados poderes.

Essa união, então, é praticamente invencível.

Nora Roberts é mestre em nos hipnotizar com suas tramas repletas de romance, fantasia, mistério e uma boa dose de encantamento. E em Irmãos de Sangue, o primeiro volume da trilogia A Sina do Sete, publicado pela editora Arqueiro, não é diferente. Aliás, é até melhor. É Nora no melhor de Nora.

Na trama, conhecemos Caleb, Fox e Gage, três amigos de infância que, prestes a completarem 10 anos, fazem um pacto de irmandade na misteriosa Pedra Pagã, um local considerado proibido na floresta da cidade Hawkins Hollow. Mas eles mal poderiam imaginar que uma “brincadeira” de criança poderia mudar para sempre as suas vidas. Isso porque eles acabaram libertando uma força demoníaca. Desde então, a cada sete anos, a cidade sofre com acontecimentos estranhos e arrasadores. Até que, 21 anos depois, a repórter Quinn Black chega para investigar o fenômeno e vê o seu destino diretamente ligado ao de Caleb. Logo, uma intensa atração surge entre os dois, que terão que se unir para combater  o mal que se fortalece.

Quem já é fã e leitor(a) assíduo(a) de Nora Roberts, como eu, sabe detectar quase de imediato o seu padrão de narrativa. O que sinceramente eu não vejo como um problema. Pelo contrário. Pois é exatamente por isso que eu gosto da autora. Me identifico com a sua escrita e com as suas histórias. E, a cada livro novo lançado, é isso o que eu espero ler. E ela geralmente não costuma me decepcionar. Principalmente em suas trilogias, ainda mais quando são suas trilogias de fantasia. E Irmãos de Sangue passa a impressão de que Nora voltou às suas origens. Confesso que tive uma certa decepção com a série Primos O’Dwyer (algo não encaixou nessas histórias, para mim), mas o primeiro volume de A Sina do Sete me trouxe aquele alívio de reconhecimento, de puro prazer literário. Essa é a Nora que eu conheço e adoro!

O protagonista de Irmãos de Sangue – se é que podemos dizer isso – é Caleb. Dos três, é nele o foco do primeiro volume (Fox e Gage “protagonizarão” as continuações). Eu acho muito interessante essa opção da Nora de não definir apenas um personagem principal em suas séries, mas dividir o protagonismo nos livros. Para mim, isso equilibra – e muito – as coisas, pois cada um deles tem a chance de se desenvolver e cativar os leitores, à sua maneira. Até porque Nora tem o cuidado construir personalidades e características bastante distintas, porém, complementares. É muito difícil não conseguirmos nos relacionar/conectar/identificar com, pelo menos, um deles. Caleb, por sua vez, é o homem correto, íntegro e bastante honrado, que praticamente assumiu para si a responsabilidade (e a culpa) pelo ocorrido e está disposto a proteger a cidade e seus moradores a qualquer custo. Dos três, pelo que já nos foi apresentado, acredito que ele seja o mais centrado e, portanto, meio que o pilar do trio.

Já Quinn é exatamente o oposto de Caleb. Impulsiva, quase desapegada e bastante ousada. Ou seja, a premissa de que os opostos se atraem não poderia ser mais verdadeira e eficiente neste caso. Gostei da química entre os dois e da agilidade que a personagem imprime não apenas à trama, mas também a Caleb. Não poderei me estender sobre as demais personagens da história para evitar maiores spoilers, mas posso garantir que são tão marcantes quanto. E, claro, desempenham papéis importantes na trama. Podemos dizer que Nora é muito generosa em relação aos seus personagens.

Como um primeiro livro de trilogia, Irmãos de Sangue cumpre bem o seu papel de apresentação dos personagens e da trama, com aquele algo a mais que Nora sabe como incorporar. Mesmo sendo o início de uma série, a história consegue ter um ritmo leve e ágil – aliás, para mim, às vezes, a narrativa até correu um pouco, mas nada que chegasse a incomodar, só me surpreendeu -, o que só nos deixa com aquela vontade incontrolável de saber como as coisas irão se desenrolar.  Nora Roberts sabe transitar lindamente nas nuances da fantasia, sem maiores pretensões. Apenas nos fazer viajar  no seu mundo sexy, misterioso e encantado. Seus romances são para aqueles que desejam, sim, fugir um pouco da realidade e desfrutar do simples prazer de uma leitura cativante e envolvente. Escrita envolvente e essência totalmente perceptível. Que magia é essa?

 

Nora volta às suas origens para novamente nos encantar com a sua narrativa mágica!

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada “literariamente”. Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de “A Bela e a Fera”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.