Resenhas

Água Fresca Para as Flores, de Valérie Perrin | Resenha 

‘Água Fresca Para as Flores’: uma trama bela que conforta 

A edição 040 do Intrínsecos percorre os corredores do cemitério para contar a história de uma mulher marcada pela solidão. Escrita por Valérie Perrin, Água Fresca Para as Flores é uma daquelas leituras que nos transformam. Uma história que não fala apenas da morte, mas de renascimento. Uma trama que consegue ser pesada e leve. Triste e alegre. Uma mistura de sensações que arrebata o leitor já nas primeiras páginas. 

Sinopse ‘Água Fresca Para as Flores’ 

Violette Toussaint é uma zeladora de cemitério em um vilarejo da Borgonha. Todos os dias, ela recebe aqueles que vão prestar homenagens aos entes queridos. A sua casa funciona como um abrigo para troca de confidências e compartilhamento de memórias. Lá, risos e lágrimas se misturam a xícaras de café ou taças de vinho. Mas, afinal, quem é esta mulher? Como ela foi parar no cemitério? 

Com quase cinquenta anos, Violette coleciona fantasmas.  Marcada pelo abandono e por feridas profundas, ela encontra conforto no cuidado do jardim e dos túmulos. Contudo, a sua rotina é interrompida com a chegada de Julien Seul. Um homem intrigado pelo desejo da mãe para que as suas cinzas fiquem no túmulo de um desconhecido. Enquanto a zeladora desvenda o inusitado pedido da mãe de Julien, ela acaba desenterrando sentimentos há muito esquecidos. 

Imersivo 

Água Fresca Para as Flores é um daqueles livros que cativam logo nas primeiras páginas. O texto é de uma sensibilidade que transborda pelas palavras. É uma experiência bastante imersiva e tocante. A identificação com Violette também é instantânea. Afinal, de imediato, já ficamos completamente envolvidos pelos seus conflitos e segredos. Tudo é muito envolvente. 

Histórias paralelas 

No decorrer da leitura, mesclando presente e passado, o leitor acompanha a trajetória de Violette, à medida que desvenda esta mulher. Inseridas à trama principal, Valérie Perrin também narra as histórias de outros mortos do cemitério. E, com isso, a autora consegue trabalhar o luto de uma forma mais completa, além de emocionar o leitor. 

Às vezes, é preciso parar e respirar 

O livro aborda um tema delicado: a morte. Algo irreversível, que foge da nossa compreensão, do nosso controle. Não dá para dimensionar o vazio causado pela perda de um ente querido. Cada pessoa lida de um jeito, num determinado tempo. Nem sempre dá para superar, mas é preciso seguir em frente. 

A autora constrói uma bela narrativa. Entretanto, por abordar um tema sensível, Água Fresca Para as Flores tem passagens bem pesadas. Chorei. Fiquei mal. Precisei parar a leitura por dois dias. Mas, apesar disso, o livro trabalha muito bem o luto e nos conforta. Assim, me dei um tempo. Respirei. Segui em frente. 

A dor da tragédia é superada pela própria narrativa, que nos enche de vida. Nos mínimos detalhes, prazeres, nas coisas simples. Na beleza de um lindo jardim. 

Leitura necessária 

Água Fresca Para as Flores não é apenas uma narrativa em que acompanhamos os personagens e as suas ações. É uma obra que mexe com o leitor. Tem gatilhos, provoca incômodos, mas também gera reflexões, conforto. Talvez, você não consiga ler agora. Entretanto, o livro é uma daquelas histórias que, em algum momento, precisam ser lidas.  

Título: Água Fresca Para as Flores | Autora: Valérie Perrin | Editora: Intrínseca | Tradutora: Carolina Selvatici | Páginas: 480

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.