Entrevistas

Live Arqueiro: Julia Quinn

22 abril, 2020 por

Perdeu a live com a Julia Quinn? Veja aqui um resumo dos principais tópicos

Depois do sucesso da live com o mestre dos thrillers Harlan Coben, nesta quarta-feira (22), foi a vez da rainha dos romances de época Julia Quinn aquecer o coração dos seus milhares de fãs brasileiros durante o papo no instagram da editora Arqueiro. Em quarentena na sua casa, Julia falou sobre o seu dia a dia no isolamento, sua escrita e, para delírio de todos e alegria geral da nação, sobre a tão aguardada adaptação da série Os Bridgertons para a Netflix.

Perdeu a live? Não se preocupe que a gente separou aqui os principais tópicos abordados pela autora:

Rotina no isolamento

Apesar de ter dado um tempo na escrita, neste período, Julia Quinn disse estar aproveitando o isolamento para ler e assistir TV com a família. Mas nem tudo é tão tranquilo quanto parece, porque o marido da escritora é infectologista num grande hospital ligado a uma universidade e está à frente do combate à COVID-19.

“O que eu posso fazer é apoiá-lo”, afirmou. “Ele está muito cansado. Antes de começar a quarentena, já sabíamos o que estava rolando. Ele não trata diretamente os pacientes, mas trabalha na parte dos protocolos, de regras. O mais difícil é que ele precisa decidir quem tem que ir se despedir de pacientes terminais, com e sem a COVID-19, porque agora não há regras para visitação. Ele é que precisa resolver. É de partir o coração”.

Os Bridgertons na Netflix

Assunto mais comentado e solicitado na live, a adaptação para a TV da série literária ainda está prevista para este ano, no entanto, Julia informou que infelizmente não possui maiores informações sobre a estreia nem sobre uma possível segunda temporada.

“A boa notícia é que as filmagens foram concluídas antes de o mundo virar um caos, o que é ótimo, caso contrário, teria afetado tudo”, confirmou. “Ainda não há nada definido em termos de data, nem vi qualquer coisa relacionada a trailer, mas acredito que não tenha sido adiada. Eles só falam que é para 2020. Estão fazendo a edição e pós-produção, o que já é um adianto”.

Envolta em expectativa, a adaptação foi tratada no mais absoluto sigilo, antes de ser confirmada. Julia contou que, do telefonema que recebeu até a assinatura do contrato, levou praticamente um ano. E, depois, mais seis meses para a divulgação oficial. No entanto, a espera valeu muito a pena. A escritora está muito feliz e satisfeita com o resultado e também explicou o porquê de não ter se envolvido com os roteiros.

“Os roteiros estão incríveis”, garantiu. “Eu estou muito animada. Li os roteiros dos episódios e estão ótimos. Fui apenas uma consultora, mas não os escrevi nem ajudei a escrevê-los. E eu acho isso bom, porque parte de mim adoraria ajudar a escrever, mas seria difícil para os outros roteiristas sugerirem mudanças com a escritora da obra presente. Quando recebi os roteiros para ler, pensei que o jeito que adaptaram foi bem diferente, mas ficou perfeito para a TV. Eu não teria pensado nisso”.

Falando em mudanças, uma das principais diz respeito à escalação do elenco, que definiu atores pretos para alguns dos papéis principais. E, ao ser questionada se pensa em incluir personagens pretos em outras obras, Julia foi bastante sincera e exaltou a escolha da Netflix.

“Agora, a minha resposta sobre essa possibilidade seria não”, explicou. “Eu tenho certa resistência até eu conseguir fazer isso direito. E, nesse momento, eu acho que ainda não consigo fazer isso bem. Eu quero fazer de forma respeitosa a identidade e a experiência dessas personagens. Eu não sei se estou preparada para isso agora, então prefiro não fazer a fazer mal feito. Eu amei o elenco da série! Embora eu possa não estar pronta para colocar esses personagens na escrita, não quer dizer que a série não esteja. O elenco está incrível. É diferente você colocar um ator na TV do que escrever essa experiência no livro, porque eu preciso estar dentro da cabeça deste personagem. Mas, ainda que eu não escreva, há autoras pretas incríveis que escrevem romances de época com personagens pretos e eu fico muito feliz de colocar essas informações nas minhas redes porque eu posso usar a minha voz e as minhas plataformas para ajudar a divulgá-las”.

Ela ainda falou sobre o carinho e a ansiedade dos fãs brasileiros, que pegou de surpresa a equipe da série.

“Eu avisei para eles que os fãs brasileiros iriam pirar, que são muito animados e que eu tenho muitos deles nas minhas mídias”, contou. “No Instagram, por exemplo, acredito que dois terços dos meus seguidores são do Brasil. E eu disse que estavam empolgados e eles ‘claro, tudo bem, vai ser ótimo’. O pessoal só se deu conta quando a notícia se tornou pública. Eles ficaram chocados com a reação e queriam um tradutor para entender tudo o que as pessoas falavam (risos)”.

Escrita e criação

Apesar de ser considerada a rainha dos romances de época, Julia foi questionada se estaria disposta a escrever outro gênero. No momento, de acordo com ela, isso não está nos planos.

“Eu até já considerei (escrever outro gênero), mas eu não escrevo rápido”, apontou. “Se eu fizer algo diferente do que já faço, teria que parar tudo para começar. Não conseguiria fazer junto, e eu adoro o que eu faço. Me dou muito bem com o que eu faço hoje, então não vejo motivos para parar. Mas estou sempre aberta a novas ideias e, se eu tivesse uma boa ideia para outro gênero, eu faria. Mas, no momento, eu não tenho”.

Sobre de onde vem a inspiração para tantos personagens, nem a escritora conseguiu responder direito. Porém, Julia confirmou a vontade de repetir a escrita coletiva, como em A Dama Mais Desejada.

“Eu não sei como eu crio os personagens (risos), mas gostaria de saber”, disse. “Acho que eu apenas escuto e observo as pessoas. Todos me perguntam isso, e eu nunca tenho uma resposta satisfatória, porque realmente não sei de onde vem as ideias. Sobre escrever com outras autoras, não tenho nada planejado, mas adorei fazer. Eu adoro romance histórico. Escrever com mais autoras não muda o que eu escrevo, mas a maneira como eu lido com isso. Faz eu exercitar outras partes do cérebro”.

Revelação de capa

A live também teve um momento surpresa tanto para os leitores quanto para a própria autora: a revelação e o título do quarto livro da série Os Rokesbys.

Com previsão de lançamento para julho, a obra recebeu o título de Uma Noiva Rebelde.

Reprodução Instagram

Divulgação: Editora Arqueiro

Ciência

Por fim, Julia também falou sobre o que espera do mundo e das pessoas após a pandemia, e ainda fez um apelo a favor da ciência.

“O que eu tenho visto é que tudo isso está nos fazendo valorizar mais as nossas conexões pessoais, a ajudar mais as pessoas”, concluiu. “Espero que as pessoas, de fato, percebam a importância de valorizar essas conexões e principalmente comecem a ouvir e a confiar mais na ciência. Precisamos ouvir os cientistas. Não importa no que acreditamos, não é questão de opinião, é a verdade. E espero também que as pessoas sejam mais gentis e compreensivas”.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário