Resenhas

A Chama de Ember, de Colleen Houck | Resenha

Depois de arrebatar milhões de leitores com as sagas A Maldição do Tigre e Deuses do Egito, Colleen Houck traz ao público uma nova abordagem para o folclore em torno da origem do espírito de Halloween. Em A Chama de Ember, publicado pela editora Arqueiro, embarcamos em uma aventura fantástica, repleta de romance, a um mundo de seres mágicos e cheio de mistério.

Ember O’Dare, uma insistente bruxa de 17 anos, há tempos, vem tentando cruzar o portal e adentrar em uma dimensão proibida. Mesmo após diversos alertas do lanterna Jack – um humano que, após um pacto com o demônio, foi condenado a servir por toda a eternidade como guardião em uma entrada do reino imortal -, a jovem permanece irredutível.

Até que, um dia, com a ajuda de um misterioso vampiro, Ember consegue enganar o guardião  e entrar neste novo mundo. Assim, Jack começa uma busca para resgatar a jovem antes que os universos terreno e sobrenatural entrem em colapso e se tornem um caos.

A Chama de Ember é uma fantasia que mescla aventura, magia e romance. Acredito que, dentro do contexto da origem do Dia das Bruxas, que é a proposta do livro, entrar um pouco no terror – explorando o medo que os personagens sobrenaturais provocam em nós mortais – seria uma forma mais assertiva e atraente de narrar a trama da jovem bruxa. Sem deixar, obviamente, a leveza da literatura jovem adulto do texto. Esperava que a obra tivesse uma pegada mais “dark”. Talvez, esta tenha sido a minha maior frustração.

A narrativa, de fato, é repleta de mistérios e reviravoltas. Uma aventura alucinante, que cumpre a promessa de uma viagem rumo ao desconhecido. Mesmo sendo uma leitura envolvente, tive a sensação de que Houck não soube lidar com um livro único, muitos personagens, tramas e tal. Ficou um pouco confuso e corrido, principalmente no final. O três personagens apaixonados por Ember também cansaram um pouco, uma vez que as três tramas amorosas não foram tão bem desenvolvidas.

Apesar dos percalços, é louvável o trabalho de Colleen Houck de se apropriar deste folclore do Halloween para narrar a trajetória de Ember. Uma visão bastante interessante sobre a origem da festividade. Em A Chama de Ember, a autora esbanjou criatividade (característica que considero de suma importância, ainda mais na literatura fantástica), principalmente na concepção do Outro Mundo, com uma intrigante associação da tecnologia com a luz da bruxaria. É surpreendente!

A Chama de Ember é uma aventura que vai encantar principalmente aqueles leitores que adoram romance, magia e descobertas. Uma leitura repleta de ação e criatividade, que vai prender o público do começo ao fim.

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.