A Vida não é Justa, de Andréa Pachá | Resenha

book:
andréa pachá

Reviewed by:
Rating:
5
On 16/05/2019
Last modified:27/05/2019

Summary:

Uma leitura muito agradável e reflexiva

‘A Vida não é Justa’:  reflexões sobre o fim do amor

E viveram felizes para sempre… Mas, afinal, o que realmente acontece depois do “felizes para sempre?”. Atrelada ao casamento, a expressão é comumente associada à consolidação da felicidade pelo matrimônio. Como se todos os problemas de um indivíduo acabassem com a afirmação do enlace amoroso. Entretanto, a vida real é bem diferente da ficção e, em muitos casos, o amor não dura para toda eternidade. Em A Vida não é Justa, publicado pela editora Intrínseca, Andréa Pachá narra com muita leveza e bom humor as diferentes histórias sobre o que acontece com o fim do amor. Uma abordagem necessária sobre um assunto que gostamos de negar.

Para quem não conhece, Andréa Pachá, além de escritora, também é juíza. E foi da sua experiência de quase 20 anos à frente de uma Vara de Família que surgiu a inspiração para escrever A Vida não é Justa. O livro – originalmente publicado em 2012 e que serviu  de inspiração para a série “Segredos de Justiça”, exibida no programa Fantástico (TV Globo) – ganhou uma apresentação contextualizando a obra, bem como uma nova capa e novo projeto gráfico pela Intrínseca, mantendo o trabalho visual apresentado em Velhos são os Outros – publicação também escrita por Pachá, lançada em 2018, pela editora, que trata sobre questões relacionadas ao envelhecimento.

Andréa Pachá tem um talento singular de transformar a sua experiência nos tribunais em histórias emocionantes, que nos fazem refletir sobre a vida e os relacionamentos. É tudo bastante objetivo e envolvente. A autora também desmistifica o papel do juiz e humaniza a sua figura, expondo os dilemas da profissão, o seu amadurecimento e a responsabilidade da decisão na vida das pessoas. De uma certa forma, aproxima o público deste universo judicial, distante e temido por muitos.

Conheci o trabalho de Pachá na leitura de Velhos são os Outros. E, através dos casos narrados, pude ampliar muito a minha percepção sobre o envelhecimento. Foi muito edificante. Por isso, assim que foi relançado, me interessei por A Vida não é Justa; em entender, desta vez, o que acontece quando o amor acaba.

Ao narrar casos de separações, guarda dos filhos, partilhas de bens, paternidade, histórias de amor, reencontros e desencontros, o livro explora a complexidade do fim das relações amorosas. Mais do que isso, fala da construção do conceito do amor, do ideal que nós criamos sobre o relacionamento e felicidade. A Vida não é Justa explora as dificuldades em lidar com o desamparo e as frustrações, de como ainda é complicado assumir o fracasso e seguir adiante.

A Vida não é Justa é uma trama leve, apesar de expor a questão do fim do amor. É uma leitura muito agradável e reflexiva – marcas já aparentes do belo trabalho literário de Andréa Pachá. Cada texto traz uma situação distinta, pontos de vista e personagens que mostram a complexidade e diversidade do tema.

O livro defende que o término de um relacionamento não é o “fim” e, sim, um recomeço. A obra é uma verdadeira redefinição do “felizes para sempre”.

Uma leitura muito agradável e reflexiva

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.