Associação de editoras independentes realiza primeira feira literária

Idealizada pela Coesão Independente, que reúne mais de 50 editoras dos mais variados segmentos, Choque Literário traz expositores, palestras, descontos e bate-papos

Unir forças para fortalecer as marcas. E dar espaço – voz e páginas – a tanta gente talentosa que, por conta de um mercado extremamente fechado e ainda um tanto quanto preconceituoso, não teve chances de mostrar o seu trabalho e sua obra para os leitores. O caminho ainda é longo, até mesmo um pouco árduo, mas, aos poucos, os profissionais do mercado literário vão descobrindo novas oportunidades para reformular este modelo de negócio. Especialmente na área independente, que exige, além do talento, criatividade e muita determinação para encarar a forte concorrência e a resistência de boa parte da indústria. E é assim que surgem iniciativas como a primeira edição da Choque Literário – Feira da Coesão Independente, evento que irá reunir diversas editoras de literatura, quadrinhos e outras publicações impressas, no dia 6 de abril, das 10h às 20h, na Associação Osaka, em São Paulo. A entrada é gratuita.

A ação é a primeira da Coesão Independente, uma associação composta por mais de 50 editoras independentes dos mais variados segmentos que promove o compartilhamento de experiências e conhecimento do mercado livreiro, bem como realização de feiras em conjunto e a colaboração na divulgação, produção e venda de livros. Elas também se unem em prol de apoio mútuo por meio de parcerias. A Choque Literário, por sua vez, terá o encontro entre editoras e leitores, descontos especiais em obras e palestras e bate-papos especiais com profissionais para discutir diversos gêneros.

“São Paulo tem uma oferta cada vez melhor de feiras nas quais as editoras independentes vêm conquistando espaço”, declarou Cid Vale Ferreira, da editora e Sebo Clepsidra e idealizador da Coesão Independente, em entrevista exclusiva ao Vai Lendo. “Nesse sentido, o que diferencia a Choque Literário das demais é a amplitude de seu enfoque e as editoras que fazem parte dela. Dentre as mais de 30 editoras que farão parte do evento, há uma heterogeneidade bastante saudável. Literatura nacional contemporânea, clássicos impressos pela primeira vez no Brasil, penny dreadfuls, literatura infantojuvenil, edições artesanais, romances góticos, quadrinhos de gênero, obras ocultistas… Tudo isso e muito mais pode ser encontrado nos estandes que serão montados ali, então, não há um foco específico, mas sim a presença de editoras que sobrevivem com altas cargas de amor pelos livros que produzem, o que garante uma série de publicações de nicho nas quais as grandes editoras jamais apostariam. Alguns membros já são veteranos de feiras, outros nunca haviam participado de algo assim, então eu compararia a seleção de editoras que fizemos com uma garimpagem. Encontramos editoras muito especiais para expor suas obras e esperamos encontrar também nosso espaço entre as excelentes outras feiras que vêm colocando os leitores cada vez mais perto de quem realmente produz esse material”.

Foto: Divulgação

Cid destacou a importância de feiras e outros eventos literários como oportunidades de novas parcerias e fortalecimento do mercado independente e explicou o funcionamento da Coesão Independente para reduzir os riscos de investimento em novos autores.

“Se não fossem pelas feiras, o mercado editorial estaria em uma situação ainda mais alarmante”, afirmou. “Dentre as independentes, feiras como Plana, Ugra Fest, Miolos e Des.gráfica são extremamente necessárias. Além das vendas, muitos contatos são feitos nelas. Aliás, muitas vezes, os próprios criadores estão presentes, o que sempre cria oportunidade para novas parcerias e para a inovação. Esse é também o espírito da Coesão. O grupo de cerca de 60 representantes de editoras se comunica por um aplicativo de bate-papo, enviando dúvidas, pedindo ajuda, dando dicas, jogando ideias de ações coletivas, trocando contatos… A ideia é que, juntos, somos maiores que a simples soma das partes, pois há potencial para sinergias incríveis ali. Uma campanha de financiamento coletivo, por exemplo, pode receber dicas de aprimoramento de sua apresentação ainda no rascunho, assim como há esforços para que uns ajudem na divulgação dos demais. Dessa forma, aos poucos, estamos atacando nossas maiores demandas. Muitos ali já participam de feiras, agora, temos a nossa própria feira. Muitos ali querem aumentar sua exposição, agora, temos a página do grupo que oferece notícias de todos em um só local. Muitos ali precisam ampliar sua rede de distribuição, e estamos criando um grupo semelhante de livreiros para, em breve, integrar essas editoras a livrarias alternativas e sebos. Tudo isso, cremos, faz com que diminua o risco de investirmos em novos autores e em projetos ousados”.

Na Choque Literário, estarão presentes as seguintes editoras: Skull, Mundaréu, Moinhos, Presságio, Nua, Lendari, Sebo Clepsidra, Córrego, Touro Bengala, Wish, Sinna, Luva, Jujuba, Monomito, Arché, Draco, Devora, Barbatana, Pólen Livros, Livros Prontos, Essencial, Coerência, Bandeirola, Empíreo, Giz, Cartola, Selo do Burro, Parzifal, Aetia, Instante, Gosto Duvidoso, Diário Macabro e Estúdio Aspas. O evento também conta com o apoio de parceiros como a Aberst (Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror), As Baratas (que fará a camiseta do evento) e O Corvo – Burger & Beer (responsável pela alimentação). Já a ilustração do pôster é do quadrinista Victor Freundt e o design, da capista Marina Avila. Ainda que a lista de expositores tenha sido fechada antes mesmo da divulgação da ação, Cid indicou que, devido à grande procura, uma segunda edição da Choque Literário está, sim, nos planos.

“Recebemos cerca de uma centena de novos interessados, então, provavelmente haverá uma segunda edição com, esperamos, muito mais editoras”, disse. “A curadoria do evento reflete a composição do grupo Coesão Independente. Com exceção dos convidados (a Aberst, que levará autores de literatura policial e terror, a camisetaria As Baratas e a hamburgueria O Corvo – Burger & Beer), todos os expositores fazem parte do grupo”.

Para aqueles que desejam se associar à Coesão Independente, há um formulário no site do grupo (www.coesaoindependente.com.br ) para editoras interessadas, e Cid confirmou que, aos poucos, novas vagas serão abertas. Mesmo com as dificuldades, ele reiterou possuir uma visão mais otimista em relação ao mercado independente e garantiu que o objetivo de ações como a Coesão e a Choque Literário, por exemplo, é justamente estreitar os laços entre os profissionais e leitores, tornando essa relação mais humanizada, livre de julgamentos e preconceitos.

“Na minha bolha (eu sou sócio do Sebo Clepsidra), convivo com muitos apaixonados pela produção nacional”, destacou. “Minha visão, talvez, seja mais otimista do que normal, então, recorrerei às palavras de um colega de Coesão Independente, o autor e editor Raphael Fernandes, da Editora Draco, que refletem anos e anos de publicação de quadrinistas brasileiros: ‘a maior dificuldade, talvez, esteja no nosso próprio preconceito e também com a falta de uma mercado sólido de obras de cultura pop brasileiras. Muitas editoras acabam lançando os produtos sem dizer a nacionalidade de um autor, chamando de obras originais ou exclusivas para o leitor.  Por exemplo, no mercado de quadrinhos, ainda estamos lutando para que os leitores leiam outros gêneros que não os super-heróis ou o mangá shonen (direcionado para o público jovem masculino). A questão é que precisamos ampliar a nossa produção para que as gemas possam aparecer’. Ainda não temos como mensurar o impacto dessa iniciativa no mercado como um todo, mas estamos engajados em estreitar parcerias entre editoras, em fomentar a leitura e em aproximar os leitores dos autores e editores em uma escala cada vez maior. Esse cara a cara faz muita diferença. Feiras, palestras, saraus, bate-papos, clubes de leitura… Ações como essas tornam a relação com os livros cada vez mais humanizada”.

Serviço Choque Literário – I Feira da Coesão Independente:

  • Local: Associação Beneficente Provincianos Osaka Naniwa Kai
  • Site do local: https://www.osakananiwakai.org/
  • Endereço: Rua Domingos de Morais, 1581, Vila Mariana, São Paulo, SP  (Próximo à estação Vila Mariana do Metrô).
  • Data: 06 de abril de 2019
  • Horário: 10h às 20h

 

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.