Black Hammer – O Evento, de Jeff Lemire, Dean Ormston e Dave Stewart | Resenha

HQ:
Jeff Lemire, Dean Ormston e Dave Stewart

Reviewed by:
Rating:
5
On 29/01/2019
Last modified:03/02/2019

Summary:

Com mais ação, muito mistério, algumas traições e drama, agora sim, Black Hammer está com cara de história de super herói.

‘Black Hammer – O Evento’: agora sim, está parecendo história de herói

O primeiro volume da série HQ Black Hammer  foi, como eu suspeitava, apenas a ponta do iceberg. Neste segundo volume, O Evento, as coisas ficam bem mais interessantes.

Não porque haja mais ação — na verdade, não tem ação quase nenhuma —, mas porque finalmente começamos a descobrir um pouco mais sobre o universo em que se passa a história. Black Hammer – Origens Secretas foi apenas uma apresentação de cada um dos personagens — não é para menos, afinal o título do livro é Origens Secretas. Esse segundo traz à tona as duas perguntas que não querem calar: como eles foram parar naquele lugar? E como eles saem dali?

Black Hammer – Origens Secretas termina com a chegada de Lucy, a filha do lendário e falecido herói Black Hammer, ao mesmo misterioso lugar sem graça onde os nossos queridos heróis foram largados e estão presos faz 10 anos. Em O Evento, Lucy já chega preparada para chutar o pau de todas as barracas e querendo, a todo custo, voltar para casa. Então, ela investiga, faz perguntas e não se conforma com a situação.

O único problema é que ela não se lembra de como havia ido parar naquela cidade que, segundo ela mesma, parece “o esboço de um desenho inacabado”, onde os livros de história estão em branco e as pessoas agem mecânica e repetitivamente.

Acho que foi justamente a chegada de Lucy que deu essa guinada na história, que estava muito parada e meio deprê. Agora, Lucy faz perguntas que incomodam, até mesmo, o leitor quanto a coisas que não são vistas no primeiro volume, porque toda a trama estava voltada para os super-heróis, que parecem já ter desistido de sair daquele lugar.

E todo bom leitor sabe que, quanto mais respostas são encontradas, mais perguntas vão surgindo. Ou seja, neste segundo volume, chega-se àquele auge em que já se sabe de algumas coisas, mas ainda existe muito mistério. Eu, pessoalmente, adoro esse momento, porque me possibilita imaginar como poderia ser — normalmente, minhas suposições estão todas erradas, mas o que vale é a intenção.

Mas não é só isso. Em O Evento, o leitor descobre o que aconteceu ao Black Hammer e quem ele era realmente. E o que aconteceu antes de todos eles irem parar naquele lugar isolado. Fora isso, todos eles continuam muito depressivos e a história mantém o mesmo ritmo de vai e vem entre passado e presente, enquanto Lucy fica borboleteando de um lado para o outro, querendo saber de tudo.

Só que, gente, o final… o final foi muito bom. Aquele típico final de novela, que termina com uma frase que pode mudar tudo. Mas, como a HQ acabou, vou ter que esperar até lançarem a próxima.

Essa é a vida difícil de um leitor.

Quanto ao trabalho da editora, a Intrínseca atacou de novo. Na verdade, manteve a mesma qualidade do primeiro volume. Está ótimo. E ainda tem algumas páginas no final que mostram alguns dos rascunhos durante a criação da obra — bem legal, curti muito.

Comparando com Origens Secretas, acho que posso dizer que curti mais a leitura de O Evento. Mas tenho que admitir que, sem a preparação que tive no primeiro volume, não teria aproveitado tanto esse segundo. E a história agora começa realmente a se revelar.

Aguardo o terceiro volume.

Com mais ação, muito mistério, algumas traições e drama, agora sim, Black Hammer está com cara de história de super herói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.