Resenhas

Criaturas Estranhas, de Neil Gaiman | Resenha

28 junho, 2017 por

‘Criaturas Estranhas’: são estranhas, mas adoráveis.

Já fazia um bom tempo que eu estava de olho em Criaturas Estranhas, uma antologia organizada por ninguém menos do que Neil Gaiman e publicada pelo selo Fantástica, da Rocco.

E a leitura realmente valeu muito a pena. Conheci autores excelentes dos quais eu nunca tinha ouvido falar — como E. Lily Yu, Saki e Nnedi Okorafor —, li contos maravilhosos e aprendi sobre algumas criaturas mágicas cuja existência — literariamente falando, é claro — eu desconhecia.

O livro foi exatamente o que eu esperava, bem diversificado. Há contos engraçados, um pouco assustadores ou simplesmente inusitados. Por isso, eu estou realmente muito satisfeita com a leitura.

Eu não sei se foi essa a intenção do Gaiman, mas percebi que o tom dos contos vai ficando mais grave à medida que vai se chegando ao final — mas admito que eu posso estar viajando e completamente enganada. Fora isso, eu não notei nenhuma especificidade na ordem de apresentação dos contos.

Antecedendo cada conto, há um breve comentário feito pelo próprio Gaiman sobre o autor do conto em questão. Ele fala coisas aleatórias, como: quando conheceu esse determinado autor, como conheceu as obras dele, por que ele gosta de seu estilo etc. Eu achei esse toque sensacional, porque deu uma sensação de proximidade e é possível notar que o Gaiman conheceu e interagiu, pelo menos um pouco, com a maioria desses autores — alguns já eram falecidos quando a antologia foi organizada, então não deu, como é o caso do Saki.

 

Ao todo, são 16 contos. Eu gostei de todos. Mas, naturalmente, há aqueles que ganharam um lugarzinho especial. É o caso do primeiro conto, cujo título é impronunciável — na verdade, o título sequer é feito de palavras ou letras. E isso, por si só, já foi o suficiente para me fazer falar: O QUÊ?!?!?!?!?!, e declará-lo um dos meus favoritos. Mas o conto em si também é muito legal, bem misterioso e que te joga uma intriga logo no primeiro parágrafo e te faz pergunta: o que está acontecendo nesse troço? O autor é Gahan Wilson, um cartunista — isso, talvez, explique alguma coisa sobre esse conto, mas vocês vão ter que ler para entender — e, sim, tem desenhos dele no conto — o que eu achei ainda mais fantástico.

Outro conto que entrou para a minha galeria de preferitti foi o do próprio Gaiman — naturalmente, porque eu amo esse cara —, chama Pássaro do Sol. Eu adorei esse conto, porque ele tem uma reviravolta bem legal no final e também é capaz de manter o leitor com uma pergunta incessante na cabeça até a última página, que é: o que vai acontecer? Bom, eu não esperava menos do Gaiman.

Eu tinha combinado comigo mesma, enquanto começava essa resenha, que ia falar apenas de dois contos, mas como eu nunca sigo os meus planejamentos, vou falar de três.

Pois bem, é o As Vespas Cartógrafas e as Abelhas Anarquistas — quando eu li esse título, eu ri —, de E. Lily Yu. Eu adorei esse conto, porque o achei muito bem montado e deu para perceber que a autora realmente estudou sobre o assunto para escrevê-lo — no meio da fantasia da história, ela colocou fatos reais e comprovados. E essa mistura de realidade e fantasia é fascinante. Sem falar que o próprio tema é muito interessante.

Gostei demais também dos contos: O Grifo e o Cônego Menor, de Frank R. Stockton — passa uma mensagem bacana —, Gabriel-Ernest, de Saki — um conto mau e muito cru, e eu gostei —, O Mal Também se Levanta, de Maria Dahvana Headley — eu fiquei muito surpresa com esse conto —, e Venha, Dona Morte, de Peter S. Beagle — adoro histórias sobre a Morte.

Mas vou parar por aqui, senão eu vou acabar tecendo análises sobre cada um dos 16 contos e essa resenha vai ter que ser publicada em partes. Mas todos os contos são ótimos, o Gaiman fez excelentes escolhas para essa antologia.

Quanto ao trabalho da editora, está excelente. Eu não vi absolutamente nada de errado e nem nada que tenha me incomodado. A capa está maravilhosa e muito simples, o que me fez gostar ainda mais dela — gosto de ver que o trabalho foi tão profissional, que não foi preciso fazer nada colossal para chamar a atenção. A diagramação e o interior do livro estão ótimos — cada conto possui uma ilustração pequena sobre o título, e eu gostei disso. Enfim, a editora fez um ótimo trabalho.

Criaturas Estranhas atendeu a todas as minhas expectativas — e chegou a superá-las, eu diria. Tem de tudo nessa antologia, desde o romance até o terror, e o melhor é que é recheado de criaturas… bom, estranhas.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário