Resenhas

A Garota Que Não Queria Lembrar, de Maggie Lehrman | Resenha

‘A Garota Que Não Queria Lembrar’: uma leitura que nos obriga a confrontar os nossos próprios sentimentos

Cuidado com o que deseja. Taí uma frase que nunca fez tanto sentido quanto no livro A Garota Que Não Queria Lembrar, de Maggie Lehrman, publicado pelo selo Pavana, da editora Alaúde. Uma leitura contagiante e incômoda, que nos leva a refletir profundamente sobre a nossa maneira de lidar com as adversidades. Que mostra a dualidade do ser humano. E que não existe um ser humano totalmente bom ou mau. Existe apenas um ser humano. Diferente e único em relação aos seus medos, incertezas e inseguranças. Cada um de nós enfrenta os obstáculos de uma forma, expressa os sentimentos da maneira que se sente mais confortável e nem por isso está mais certo ou errado do que o outro. E isso a autora soube debater muito bem na obra.

Na obra, acompanhamos Ari e seus amigos tendo que lidar com a morte do namorado dela, Win. Sem conseguir superar a perda, Ari recorre a um feitiço para apagá-lo de sua memória. O problema é que ela não é a única a fazer uso de feitiços para fins pessoais, e esses feitiços têm um preço. A partir daí, uma série de eventos (inclusive passados) revela as conexões um tanto quanto sombrias entre Ari, seus amigos e Win e mostra as consequências de atos quase sempre impulsivos e egoístas.

Desde o primeiro momento em que recebemos o livro num kit lindo enviado pela editora, fui completamente enfeitiçada, com o perdão do trocadilho. Achei a sinopse bastante interessante e, como já disse em algumas resenhas, tenho uma queda por histórias que envolvem qualquer tipo de magia. E A Garota Que Não Queria Lembrar não foi diferente do que eu esperava. Pelo contrário. O livro conseguiu prender a minha atenção desde a primeira página e permaneceu nos meus pensamentos, mesmo depois de concluída a leitura. Digo isso porque, mesmo sendo uma ficção, é impossível não se colocar no lugar dos personagens. Se esses feitiços estivessem acessíveis a nós, será que não iríamos recorrer a eles para “consertarmos” aquilo que achamos não ter solução? Será que não iríamos querer nos livrar de qualquer sofrimento, dos nossos medos mais obscuros?

Maggie nos apresenta a história através do ponto de vista de quatro personagens: Ari, Markos, Kay e… Win. Sim, o livro alterna entre passado e presente e, com isso, conseguimos construir uma linha do tempo e entender o que os levou até o momento em que a trama começa e principalmente os resultados das suas atitudes. Cada um desses quatro personagens traz uma perspectiva diferente sobre como seria recorrer a métodos considerados ilegais (no livro, as heckamistas, que são as mulheres responsáveis por fazer esses feitiços, são ilegais) e o quanto isso afetaria não apenas nós mesmos, mas todos ao nosso redor. É muito interessante a construção e a desconstrução de Ari, Markos, Kay e Win, e também de Diana e Echo, duas personagens “secundárias”, mas que possuem funções igualmente importantes. A autora soube trabalhar toda a fragilidade e a ambiguidade do ser humano com muita sutileza, mas de forma bastante firme e reflexiva. A ideia de representar a nossa dificuldade em lidar com perdas e adversidades através de “feitiços caseiros encomendados” é ousada e instigante para a nossa imaginação.

Por isso mesmo, achei muito difícil simpatizar com boa parte dos personagens. Apenas Win me gerou empatia, principalmente porque ele, sim, tinha um problema sério e já não tinha mais controle sobre ele mesmo, infelizmente. Aliás, outro ponto positivo do livro é levantar questões sobre o luto, depressão, solidão, autoestima, preconceito, entre outros assuntos extremamente delicados, mas que precisam – cada vez mais, hoje em dia – ganhar destaque, especialmente entre os jovens. Foi difícil simpatizar com Ari, Marcos e Kay porque é difícil aceitarmos os nossos defeitos e sermos confrontados. É difícil aceitar que somos, sim, egoístas e capazes de, no desespero, pensarmos apenas em nós mesmos e no nosso sofrimento, sem ter qualquer consciência do quanto nossas decisões impensadas podem afetar aqueles que estão bem do nosso lado. É difícil entender que somos todos diferentes e temos o nosso próprio tempo, o nosso próprio luto. É difícil aceitar que nem sempre temos aquilo que queremos, que as coisas geralmente não saem do jeito que desejamos – e que nem por isso está tudo errado ou ruim. Que nem sempre vamos agradar a todos. E ver tudo isso bem na “nossa frente”, através desses personagens, cada um representando uma dessas facetas, foi realmente difícil. E muito, muito incômodo. Confesso que, de todos, a que mais me perturbou, digamos assim, foi Kay. Não que eu não entenda e não me compadeça do seu sofrimento, mas o problema é que Kay deliberadamente envolveu outras pessoas em seus problemas, sem se preocupar – em nenhum momento – com os efeitos de seus atos.

A escrita de Maggie é leve, sensível, fluída e muito natural. Tanto que realmente ficamos com uma sensação agridoce ao término da leitura, tanto por termos lido uma boa obra quanto pela reflexão que ela nos trouxe. A Garota Que Não Queria Lembrar realmente mexe com a gente. É como se os nossos próprios sentimentos fossem colocados à prova, junto com Ari, Markos, Kay e Win. Como se os efeitos encarados por eles rebatessem na gente. Que magia é essa Maggie Lehrman?

AmazonLivraria CulturaSaraiva

 

 

 

 

 

 

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.