Quem Era Ela, de JP Delaney | Resenha

Review of: Quem Era Ela
livro:
JP Delaney

Reviewed by:
Rating:
5
On 10/05/2017
Last modified:19/07/2017

Summary:

Uma casa, duas moradoras, muitos segredos e mentiras. É de tirar o fôlego!

‘Quem Era Ela’: uma arquitetura que desperta curiosidade, uma trama de tirar o fôlego

Quem não gostaria de morar em uma casa que é uma verdadeira obra prima arquitetônica? Projetada no estilo minimalista associado ao uso da tecnologia para melhor atender aos seus moradores, a Folgate Street, n°1, desperta grande interesse. No entanto, para fazer parte desta experiência, os candidatos deverão passar por uma série de testes e cumprir um número considerável de regras. Você abriria mão de alguns direitos e escolhas em prol de toda sofisticação? Em Quem Era Ela, publicado pela editora Intrínseca, o autor JP Delaney (pseudônimo) nos convida a desvendar a história e os segredos desta construção e de suas moradoras. Uma leitura eletrizante!

Jane foi uma das interessadas que se encantou pela Folgate Street, n°1, e, depois de todo o processo seletivo, conquistou o direito de morar na cobiçada construção. Para ela, a moradia era um novo começo após a perda da filha, que nem chegou a nascer. Porém, toda a tranquilidade da casa se transforma em ameaça, quando Jane descobre que a antiga moradora, Emma, havia morrido de forma trágica no local. E, quanto mais procurava saber sobre a antiga inquilina, mais ela descobria semelhanças com a garota e sentia que poderia correr o mesmo risco.

Quem Era Ela narra a história destas duas moradoras. Cada capítulo, alternadamente, dá voz a uma delas: Emma (a antiga inquilina) e Jane (a atual). Este formato permite que o leitor identifique as situações que estas mulheres viveram até chegar a Folgate Street, n°1, o processo para alugar o imóvel e a experiência na casa. Assim, fica fácil reconhecer as semelhanças entre as duas, o que atiça a nossa curiosidade, afinal, a construção é cercada por muitos mistérios.

Os capítulos curtos e a escrita objetiva de JP Delaney também são outros fatores que envolvem o leitor, que rapidamente é imerso na trama. Quem Era Ela é o tipo de livro que te prende do começo ao fim, sem perder o ritmo acelerado. Lá pelo meio do livro, a trama de Emma até parece esfriar, mas logo sofre uma virada. Neste caso, muito se deve à ambiguidade em torno da personagem, algo fascinante, que provoca aquela sensação de eterna desconfiança e desconforto. Algo fundamental para o gênero.

No livro, além de Emma, todos os outros personagens são bem desenvolvidos e interessantes. JP Delaney consegue trazê-los para perto da realidade, apresentando os seus defeitos e qualidades, além de serem peças imprescindíveis para alguns debates propostos: violência contra a mulher, displicência médica e policial, tecnologia aliada ao aprimoramento da experiência do usuário, invasão de privacidade e relacionamentos amorosos.

É claro que também não poderia deixar de falar da Folgate Street, n°1. A casa em si é um atrativo à parte durante a leitura. E não só pelo conceito tecnológico associado à estrutura minimalista e ao conceito aberto, mas como uma experiência. Imagine morar em um lugar onde o chuveiro sabe exatamente a temperatura da água perfeita para você? Ou ter tudo controlado por aplicativo? De certa forma, ela reconhece o morador e se adapta a ele. Fascinante e, ao mesmo tempo, horripilante! O interessante de Quem Era Ela é que a pesquisa sobre o inquilino feita antes e durante a estadia na casa é compartilhada com o leitor entre alguns capítulos. Em determinados momentos, somos surpreendidos por perguntas, tipo um teste de personalidade, nos colocando em situações complicadas/bizarras. Só senti falta de um resultado em relação às respostas no final do livro. Porém, valeu os questionamentos.

Quem Era Ela é uma leitura de tirar o fôlego! Para quem curte um bom thriller, a diversão é garantida. A obra é cheia de reviravoltas, suspense e adrenalina, num cenário arquitetonicamente surpreendente. A tensão é tanta, que você não vai parar de ler até chegar ao fim. E tem coisa melhor do que isso?

AmazonLivraria Cultura Saraiva

 

 

 

 

 

 

Uma casa, duas moradoras, muitos segredos e mentiras. É de tirar o fôlego!

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.