‘O Livro Delas’ mostra a diversidade e o talento da literatura nacional

Em bate papo com os leitores, autoras que participaram da antologia publicada pelo selo Fábrica231, da editora Rocco, e a organizadora do livro falam sobre o processo de produção do livro, formação de novos leitores e os desafios do mercado editorial

Nove autoras, nove contos, nove formas de amor. Em O Livro Delas, publicado pelo selo Fábrica231, da editora Rocco, Bianca Carvalho, Carolina Estrella, Chris Melo, Fernanda Belém, Fernanda França, Graciela Mayrink, Leila Rego, Lu Piras e Tammy Luciano assinam histórias sobre amizade, experiências familiares felizes e dramáticas, viagens e, claro, amorNo último domingo (26), Graciela, Tammy, Bianca Carvalho e Carolina Estrella participaram de um bate papo com os leitores sobre a obra, que contou ainda com a presença de Renata Frade, organizadora do livro e sócia-fundadora da agência Punch!, que integra o primeiro projeto multiplataforma de literatura nacional para jovens no país, o LitGirlsBr, criado pela empresa.

“O livro é a materialização do conceito do projeto LitGirlsBr”, explicou Renata. “Ele tem um tripé cultural de entretimento e educacional. A seleção dessas autoras foi justamente para contemplar o público de todas as idades e mostrar que elas são mobilizadoras dentro desse meio editorial, além de mostrar também a riqueza da variedade de temas e estilos”.

Divulgação

Para Renata, o grande desafio foi conseguir juntar todos os talentos, até porque, ela contou, a maioria das autoras nunca havia escrito nesse formato de conto. Por isso mesmo, Renata optou por dar total liberdade criativa e exaltou o empenho e capacidade dessas escritoras de se superarem.

“Quando os convites foram feitos, os padrões foram os tamanhos do texto, mas as deixei livres para escolherem os temas dos contos e formatos”, afirmou. “Eu já tinha lido os livros de todas elas, mas acho que se superaram em termos de estilo literário. A maioria nunca havia escrito um conto, e elas se saíram muito bem. Dentro da literatura que elas praticam, houve uma tentativa de fazer o melhor. Eu senti uma garra grande em relação a isso. Alguns formatos eu nem esperava. O tema amor, relacionamentos, permeia o livro inteiro, mas foi uma feliz coincidência e também uma coerência porque é o que elas escrevem. Eu tenho muito orgulho desse livro. Ele representa o sonho realizado, e eu acho que é um marco na vida de todas nós que participamos dele, de estar numa editora excelente, que é a Rocco, além de ser um livro lindo por dentro e por fora”.

Com a boa recepção do público e resenhas positivas, Renata destacou todo o processo de desenvolvimento e organização de O Livros Delas como uma forma de superação, especialmente num ano de crise e com todas as dificuldades de se empreender no Brasil. Ela também exaltou o caráter mobilizador do projeto LitGirlsBr, de multiplataforma, para promover a literatura das escritoras nacionais e ajudar na formação de novos leitores.

“Desde o inicio do projeto LitGirlsBr, foi desenhado que a gente realizaria o livro, independente da editora, que configurasse a apresentação de autoras para os leitores”, confirmou. “São autoras conhecidas do público, mas nem sempre todo mundo conhece as nove autoras. O resultado tem sido muito positivo, ressaltando as qualidades dos contos. Isso foi um exercício pessoal, para mim, de superação, porque ser empreendedor no Brasil, principalmente no meio editorial, é algo heroico. O livro tem esse viés de ser entretenimento, mas ele é um produto cultural porque estamos falando de um movimento de mobilização de leitura no Brasil, de formação de leitor. Mas também queremos mostrar que isso é um fenômeno literário, que não é uma onda passageira. E ainda tem um viés educacional porque é adotado em escolas e está sendo estudado em universidades. Foi um grande desafio porque o organizador é aquele q faz uma pesquisa prévia, seleciona os talentos e tem que entender como que encaixa isso. O meu critério de seleção era mostrar os gêneros. Como é diversa e rica a nossa literatura feita pelas mulheres contemporâneas”.

Por falar em diversidade, Renata já garantiu que novas autoras entrarão no projeto e que essa antologia foi a primeira de outros produtos editoriais do LitGirlsBr.

“Outros livros virão e outros conteúdos editoriais em outras plataformas”, indicou. “Esse projeto é fruto de um sonho. Acho que todos já deixamos de comer, dormir, já choramos muito, nos emocionamos, querendo criar algo que deixasse marca, que construísse algo para o próximo. Principalmente para quem ama livro, nós queremos deixar o registro de algo que queremos produzir”.

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.