A Viúva, de Fiona Barton | Resenha

Review of: a viúva
book:
fiona barton

Reviewed by:
Rating:
3
On 27/03/2017
Last modified:25/05/2017

Summary:

Um thriller com muito potencial, mas que peca ao perder a essência de mistério!

‘A Viúva’: um segredo que perde a importância ao longo da trama

Jean Taylor era a esposa perfeita e dedicada. Mesmo quando o marido Glen foi acusado de cometer um crime terrível, a mulher permaneceu ao lado do companheiro e viveu, nos últimos anos, cercada de forte pressão da imprensa e da sociedade. Agora, ele está morto e Jean está disposta a revelar os segredos do casal e pôr fim a um longo mistério que assola a Inglaterra: o sumiço da menina Bella. Em A Viúva, romance de estreia da jornalista Fiona Barton, publicado pela editora Intrínseca, acompanhamos não só uma trama de investigação, mas toda a relação entre o trabalho da mídia e da polícia para a solução de um caso.

A Viúva é narrado em grande parte através das perspectivas de Jean Taylor, do detetive Bob Sparkes e da repórter Kate Waters, e já começa eletrizante com a morte de Glen e com a abordagem da jornalista a fim de conseguir uma entrevista exclusiva com a viúva. Conhecer um pouco sobre os bastidores do furo jornalístico e da imprensa investigativa é um dos grandes trunfos da obra. É nítido ver a experiência profissional de Fiona Barton nas páginas. A abordagem é muito bem desenvolvida pela autora, principalmente quando ela apresenta os artifícios utilizados para prender a atenção do público, fazer com que as pessoas acompanhem um caso.

De certo modo, a cobertura de um crime pela mídia tem muito em comum com um romance que lemos. Gostamos de acompanhar tudo, do início até a solução do mistério, e exercer um pouco de empatia pelas personagens que nos são apresentadas (sejam elas reais ou fruto da ficção).

Como uma trama policial, A Viúva cumpre muito bem o papel de ser um espelho da realidade. A abordagem de alguns temas polêmicos, como o machismo – a forma com que Fiona Barton desenvolve os abusos de Glen sobre Jean é algo muito próximo da realidade – e pornografia infantil (com foco no vício), é fantástica, mas o livro peca no desenvolvimento do mistério.

Através das lembranças dos três protagonistas (viúva, detetive e repórter) de forma não linear, o leitor é apresentado ao caso. O começo é muito instigante, afinal, não sabemos exatamente qual foi o crime e como ele aconteceu, além de sermos apresentados à história do casal (o início do relacionamento). No entanto, antes da metade da publicação, algumas revelações enfraquecem todo o mistério e o brilho da narrativa. A leitura, que antes era frenética, perde o ritmo e culmina num final pouco expressivo. Uma pena!

Em relação à estrutura da narrativa, um ponto me deixou intrigado. Os capítulos narrados por Jean são escritos em primeira pessoa e os demais, em terceira. Não entendi o propósito e, sinceramente, acho que se fossem todos em primeira seria mais interessante, pois, assim, saberíamos melhor cada um realmente pensa. A Jean, por exemplo, faz o tipo de mulher submissa que sofreu abusos do marido, mas também tem um lado não tão inocente, demonstrado pela forma como ela narra. A ambiguidade fica mais evidente e torna a personagem mais fascinante.

Outro ponto em relação à narrativa que não entendi o sentido foi o fato de, no fim do livro, termos capítulos dedicados à visão da mãe da menina Bella e de Glen Taylor (marido/acusado). A trama está muito centrada na relação da viúva, do detetive e da repórter e parece que colocar o ponto de vista de outros personagens fica um pouco fora de contexto, servindo apenas para tapar alguns buracos na história e fazê-la ser coerente. Pode ser implicância minha, mas, mesmo se desde o começo tivessem sido abordadas estas outras perspectivas, ainda sim, ficaria estranho. A essência de A Viúva está na relação do trio: no trabalho de Bob Sparkes e Kate Waters para descobrirem o segredo dos Taylor.

A Viúva é um livro que, se deixarmos de lado o mistério, tem muitas qualidades. O foco numa personagem que é deixada de lado na cobertura de um crime (a esposa de um réu), a visão dos bastidores de uma cobertura jornalística, o trabalho complementar e concorrente da imprensa X polícia, a representação dos abusos contra a mulher (é fácil pensar na quantidade de Jeans que existem no mundo, sendo válido reforçar o debate em torno da violência doméstica) e personagens bem construídas. Porém, é um thriller e, infelizmente, o mistério é o centro da trama. Não dá para perder esta essência no meio do caminho. Fica uma sensação de vazio. A falta de algo indispensável.

AmazonLivraria CulturaSaraivaSubmarino

 

 

 

 

 

 

Um thriller com muito potencial, mas que peca ao perder a essência de mistério!

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.