Não Fuja! – Livro 3, de FML Pepper | Resenha

Review of: Não Fuja!
livro:
FML Pepper

Reviewed by:
Rating:
5
On 06/01/2017
Last modified:05/03/2017

Summary:

Pepper mantém o ritmo frenético e prende o leitor até o último ponto.

‘Não Fuja! – Livro 3’: uma conclusão fantástica e de tirar o fôlego

Amor e perdão. Duas palavras pequenas, mas com grande significado. Não existe perdão sem amor. Assim como não existe amor sem perdão. Em Não Fuja!, último volume da trilogia Não Pare!, escrita por FML Pepper e publicada pela editora Valentina, é chegado o momento de Nina tomar a decisão mais importante e, talvez, mortal de sua vida. O momento de lutar por tudo aquilo que lhe é caro e por sua própria vida. O momento de ter respostas.

O terceiro livro – que começa exatamente de onde parou o segundo, Não Olhe! – traz a conclusão da jornada de Nina que, com o tempo se esgotando e a iminente batalha sangrenta que pode definir o futuro das dimensões, vai encarar novamente traições e muito sofrimento para obter as respostas que mais anseia sobre a sua existência. Entre e a vida e a morte, Nina descobre que o maior poder estava mais perto do que ela imaginava e precisa decidir qual caminho seguir para salvar aqueles que ama.

Mesmo sendo a resenha de um terceiro volume, não irei me estender muito na história justamente para que vocês tenham o prazer de serem surpreendidos com o último volume como eu fui. Já comentei isso, mas é preciso ratificar e exaltar a capacidade de Pepper de manter um ritmo frenético em todos os três livros da trilogia. Em Não Fuja!, você não fica com aquela impressão de que o livro está corrido porque precisa fechar todos os ciclos e arcos. Tudo acontece tão natural e freneticamente (no sentido de narrativa mesmo, porque a história está frenética) que você fica sem fôlego e com a mão suada, no meu caso. De verdade.  Eu, inclusive, precisei parar a leitura para dar uma boa respirada por um momento de tão nervosa que estava (meu marido, que ficou me olhando como se eu não fosse tão normal depois disso, está de prova).

Outra ponto extremamente positivo é a evolução não apenas do texto, mas também dos personagens. Pepper nos dá tudo o que tem nesse livro e nos acerta o coração em cheio. Ao mesmo tempo, Nina e Richard, principalmente, surgem mais maduros, mais fortes e destemidos (sobretudo a protagonista). Felizmente, Nina deixa de ser aquela mocinha que desperta paixões avassaladoras e precisa ser salva por todos (ainda que isso continue sendo prioridade para alguns personagens) e vira uma mulher guerreira, batalhadora e muito corajosa. Disposta a tudo para salvar as pessoas que mais ama. Embora continue um pouco instável emocionalmente (mas, né, quem pode culpá-la depois de tudo?), Nina consegue dar uma boa volta por cima. Assim como (suspiros) Richard. Aliás, a química entre os dois explode nas páginas, se é que isso é possível (bom, para mim, foi).

O retorno de alguns personagens e o aparecimento de novos deu um gás fantástico ao último volume, instigando o leitor a devorar a obra. Pontas foram amarradas e muitas lágrimas derramadas. Dor, perdas, superação, amizade, lealdade, família, amor. E tudo isso com aquela sensibilidade bem brasileira. Aliás, na minha opinião, é isso o que torna a trilogia de Pepper ainda mais interessante e emocionante. Saber que essa história tão surpreendente e bem elaborada é “nossa”. Tem o selo nacional fantástico. Obrigada, Pepper, por nos permitir viajar por entre as dimensões, por nos orgulhas e nos fazer sonhar. Mal posso esperar pela próxima aventura!

Fnac Livraria CulturaLivraria da TravessaSaraivaSubmarino

 

 

 

 

 

Pepper mantém o ritmo frenético e prende o leitor até o último ponto.

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.