Colunas

Os títulos mais horripilantes da DarkSide Books

28 outubro, 2016 por

Olá, pessoal!

Como o Dia das Bruxas – uma pena que não haja o costume, no Brasil, de sair fantasiado nas ruas pedindo doces, eu certamente ia me divertir se fosse o caso, mas isso não quer dizer que não podemos entrar no clima – se aproxima, o Vai Lendo decidiu fazer uma homenagem a uma editora brasileira bem jovem, cujo foco está justamente no Terror e na Fantasia!

Estou falando da DarkSide Books – sim, a da caveirinha charmosa.

Então, aproveitando a proximidade do Halloween, o Vai Lendo decidiu trazer para vocês os títulos mais horripilantes da editora.

Essa é a minha missão. Então, vamos lá!

Psicose

‘Psicose’, um de Robert Bloch / Divulgação DarkSide

Começarei com Psicose, um clássico de Robert Bloch, inspirado no assassino de Wisconsin, Ed. Gein. O livro não teve edição no Brasil durante quase 50 anos, até que a Darkside resolveu lançá-lo novamente. Da mesma forma que o filme de Hitchcock, o livro se tornou um ícone do horror. A história gira em torno de Norman Bates que, como Gein, vivia em uma área isolada e rural, com um mãe dominadora, para a qual ele constrói um santuário em um quarto e passa a se vestir com roupas femininas, tornando-se um assassino esquizofrênico violento e solitário.

A Noite dos Mortos-Vivos

‘A Noite dos Mortos-Vivos’, de John Russo / Divulgação DarkSide

Então, temos, por John Russo, A Noite dos Mortos-Vivos, considerada uma das maiores obras-primas do gênero, uma adaptação do filme considerado o Santo Graal dos monstros putrefatos devoradores de gente que são tão comuns nas histórias de horror hoje em dia. O livro inclui ainda um texto integral da sequência do clássico, que nunca foi filmada, chamada A Volta dos Mortos-Vivos.

A Menina Submersa

‘A Menina Submersa’, de Caitlín R. Kiernan /Divulgação DarkSide

Em seguida, a DarkSide publicou A Menina Submersa, de Caitlín R. Kiernan – obra vencedora do Bram Stocker Awards 2013, se não estou enganada. Em A Menina Submersa, o leitor é levado para a mente de India Morgan Phelps, ou Imp, cujos grandes companheiros são os livros na sua luta contra histórico de sua família, de esquizofrenia e paranoia. Mais tarde, a editora lançou uma segunda edição de capa dura lindíssima.

TubarA?o

‘Tubarão’, de Peter Benchley / Divulgação DarkSide

Então, veio nada mais, nada menos do que Tubarão, de Peter Benchley, que francamente dispensa apresentações – mas eu vou apresentar assim mesmo, porque eu estou aqui para isso. O livro – assim como o filme, que foi um sucesso de bilheteria – traz a história do monstro marinho que habita as profundezas, observando as suas vítimas batendo braços e pernas até o momento em que suas mandíbulas se fecham em volta delas.

Temos, então, O Demonologista, de Andrew Pyper. Francamente, já vi leitores dizendo que é terror e outros dizendo que não é terror, mas está marcado como terror, então, vou citar o livro aqui. A história é a seguinte: David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo, é convidado para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza. Mas a sua ida até a Itália acaba se transformando em uma jornada assustadora contra o tempo para salvas sua filha do Inferno.

Aproveito o gancho para mencionar o livro Os Condenados, também de Andrew Pyper, recentemente lançado. Novamente, vi e ainda vejo o embate de alguns leitores que dizem que o livro é terror, ao passo que outros dizem que não é. Enfim, foi apresentado como terror, então, achei válido mencionar. Em Os Condenados, Danny Orchard, após enganar a morte, ganha uma segunda chance para viver. Só que parece que ele não foi o único a voltar do Inferno.

Hellraiser a�� Renascido do Inferno

‘Hellraiser, Renascido do Inferno’, de Clive Barker / Divulgação DarkSide

Em setembro de 2015, a editora lançou Hellraiser – Renascido do Inferno, de Clive Barker, trazendo para nós os Cenobitas, criaturas demoníacas bem ruinzinhas. O livro teria sido feito já com a intenção de ser lançado no cinema e deu resultado. De leitura rápida e com doses de sadomasoquismo, Hellraiser nos conta a história de um obcecado por prazeres pouco convencionais jogado no Inferno – e, é claro, ele retorna, senão o nome não seria Renascido do Inferno, né.

Aproveitando que acabei de falar de Barker, vou colocar logo aqui o livro Evangelho de Sangue, também de Clive Barker, publicado recentemente. Pelo que pude perceber, é uma continuação do Hellraiser. No entanto, me sinto no dever de dizer que, desde o lançamento do livro, tenho visto algumas resenhas não muito positivas e algumas críticas também – acho que, se a editora ainda não viu, é até bom saber, porque sempre dá para melhorar. O livro traz uma união dentro do universo o autor, pois as histórias de Evangelho de Sangue se passam no mesmo universo que Hellraiser, unido também ao do detetive Harry D’Amour – que investiga casos sobrenaturais e que aparece em outras histórias do autor. Quando D’Amour se depara com uma Caixa das Lamentações, seus demônios internos se tornam demônios de verdade, conforme ele se vê enredado em um terrível jogo de gato e rato sangrento e perturbador.

Exorcismo

‘Exorcismo’, de Thomas B. Allen / Divulgação DarkSide

Como se não bastasse, a Darkside trouxe o livro Exorcismo, escrito pelo jornalista Thomas B. Allen. O livro traz a história real, que serviu de base para a criação do livro O Exorcista, de W. Peter Bratty, narrando o que aconteceu com Robert Mannheim, de 14 anos, que gostava de brincar com sua tábua ouija, presente de uma tia que acreditava na comunicação com os mortos – o motivo de uma pessoa dar uma coisas dessas para uma criança, no entanto, foge aos meus conhecimentos.

Donnie Darko

‘Donnie Darko’, de Richard Kelly / Divulgação DarkSide

Donnie Darko – também transformado em filme –, de Richard Kelly, foi lançado em seguida. Então, o livro vem com conteúdo extra para os leitores amantes do filme e da história. Bom, trata-se de um adolescente problemático, meio esquizofrênico e sonâmbulo, passando pelos típicos problemas da adolescência e também pertinho da morte quando uma turbina de avião cai no seu quarto. Depois disso, ele passa a ver Frank, um homem vestido de coelho – ou seria um coelho vestido de homem?

Menina Ma

‘Menina Má?’, de William March / Divulgação DarkSide

Depois de Donnie Darko, veio Menina Má, de William March. O livro, que foi um estrondoso sucesso já no início, e sua protagonista serviram como influência e inspiração na literatura e na criação de outros grandes personagens do terror. A pequena malvada do título é Rhoda, uma linda garotinha de 8 anos. Mas a sua carinha de anjo pode esconder mais do que parece. A indiferença da menina mediante a sua possível culpa na morte de uma coleguinha de escola faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine desvenda segredos terríveis sobre Rhoda e sobre o seu próprio passado.

o-menino-que-desenhava-monstros-darkside-keith-donohue-banner

‘O Menino que Desenhava Monstros’, de Keith Donohue / Divulgação DarkSide

Pouco tempo depois, veio O Menino que Desenhava Monstros, de Keith Donohue. Admito que, quando vi o título do livro, fiquei bem empolgada – aí eu li a sinopse e, como sou bem medrosa, dei uma tremida. Já vi comentários positivos e negativos a respeito da obra – mas todos elogiam muito o capricho da editora com o material, o que não é nenhuma surpresa, já que a Darkside vive inovando nas suas publicações. O livro conta a história de Jack Peter, de 10 anos, com síndrome de Asperger, traumatizado com um quase afogamento, só saindo de casa para ir ao médico e convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada cantinho escuro – ou seja, o menino é problemático até dizer chega, então, tem tudo para dar errado. Então, até o pai de Jack também começa a ver coisas estranhas, e a mãe passa a ouvir sons vindo do oceano forçando a entrada da casa. As pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, e os monstros que ele desenha começam a se tornar reais.

FA?brica de Vespas

‘Fábrica de Vespas’, de Iain M. Banks / Divulgação DarkSide

Há pouco tempo, a editora lançou Fábrica de Vespas, de Iain M. Banks, que conta a história de Frank, 16 anos e esquisito, cuja vida com o pai, em um vilarejo afastado, em uma ilha escocesa, não é nada convencional; a mãe os abandonou e Eric, o irmão mais velho, está em um hospital psiquiátrico e o pai é uma criatura excêntrico. Para aliviar suas angústias e frustrações, Frank começa a praticar estranhos atos de violência, criando bizarros rituais diários. E tudo tem muito potencial para piorar quando ele descobre que seu irmão fugiu do hospital.

Amityville

‘Amityville’, de Jay Anson / Divulgação DarkSide

E, por fim, Amityville, de Jay Anson, que não é nada menos do que o relato de acontecimentos sobrenaturais em uma casa mal-assombrada. Pessoalmente, acho que casas-assombradas são pontos-chaves para o terror; acho que é porque todos nós vivemos e precisamos de uma “casa”, acho que deixa a história ainda mais assustadora, afinal, quem garante que a nossa casa não seja assombrada também?

Bom, acho que esses são os títulos de terror propriamente ditos sob o selo da DarkSide Books, que se comprometeu a trazer para os leitores brasileiros o Horror e a Fantasia – espero não ter esquecido ou confundido nenhum título. Mas, como eu me comprometi a citar apenas as obras literárias que apresentam uma narração propriamente dita, não pude mencionar algumas que também englobam o gênero terror, mas como documentários e pesquisas, que seria o caso dos livros: O Massacre da Serra Elétrica, Evil Dead – A Morte do Demônio, Aquivos Serial Killers, Sexta-Feira 13, Social Killers, Zé do Caixão – Biografia e Ed. e Lorraine Warren.

E vocês também podem ver os títulos de fantasia publicados pela editora – esses já estão mais na minha zona de conforto literária.

Bom, a DarkSide se comprometeu a trazer para os leitores fantasia e terror. E, a julgar pelos livros que eu já li, acho que ela está fazendo justamente isso. E, pessoalmente, digo que está fazendo um ótimo trabalho.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário