O Segredo do Vaticano, de Jonathan Carter | Resenha

livro:
Jonathan Carter

Reviewed by:
Rating:
4
On 25/10/2016
Last modified:05/03/2017

Summary:

Trama bem construída, mas poderia ter uma conclusão melhor desenvolvida.

‘O Segredo do Vaticano’: uma leitura ágil sobre crença, religião e humanidade

Quanto vale um segredo? Uma vida? A paz mundial? E se for um segredo capaz de mudar a história? Até onde o ser humano pode chegar na busca pelo poder? Nos fazemos essas perguntas constantemente, ao longo da leitura de O Segredo do Vaticano, de Jonathan Carter, publicado pela editora Arwen.

o-segredo-do-vaticano-foto-4

Durante uma viagem pelas dunas do deserto, o professor Michael acaba encontrando um artefato antigo, misterioso e de valor inestimável. Ao mesmo tempo, em Roma, Lorenzo é um policial católico e devoto que lidera a investigação do assassinato de um padre em circunstâncias incomuns. Já Francisco é um senhor imponente e estudioso, que dedicou a sua vida aos segredos da humanidade. A vida de todos eles fica interligada quando eles estão prestes a desvendar o segredo do Vaticano.

o-segredo-do-vaticano-foto-3

O Segredo do Vaticano é um livro surpreendente. Dono de uma boa premissa – eu simplesmente adoro tramas que abordam fatos históricos e trazem alguns mistérios sobre a humanidade -, o livro tem um ritmo bastante ágil e fluido, resultado da boa escolha por capítulos curtos e intercalados pelos pontos de vista de seus três personagens principais. É muito interessante acompanharmos a jornada do trio, suas descobertas e tentar adivinhar onde tudo aquilo vai acabar.

o-segredo-do-vaticano-foto-1

Jonathan Carter conseguiu desenvolver bem a narrativa, alternando os momentos da trama em três lugares distintos. Acredito que isso ajude a instigar cada vez mais o leitor a adiantar a leitura para entender como todos eles estão ligados (pelo menos, funcionou comigo!). Senti uma certa familiaridade com o estilo do autor e as obras de Dan Brown (o que, para mim, que sou fã do Brown, seria um elogio!). As explicações a respeito das diferenças entre as culturas, porém, principalmente de como elas podem estar também relacionadas é muito interessante e me fez ter vontade de saber um pouco mais a respeito disso. Por mim, eu faria outro parágrafo inteiro só para debater a discussão levantada no livro (sobre crença, religião, humanidade e a Terra), mas prefiro me conter para não dar spoilers.

o-segredo-do-vaticano-foto-2

Apenas dois pontos me chamaram a atenção negativamente e prejudicaram um pouco, na minha opinião, a análise: a revisão – não foram tantos erros, mas alguns incômodos – e a conclusão da trama. Tive a sensação de que a resolução da história foi um pouco abrupta e superficial, numa narrativa que vinha sendo bem construída e amarrada em detalhes. Nos capítulos finais, senti que as coisas foram resolvidas de maneira bem simples e consequentemente não muito coerentes com o que vinha sendo apresentado, uma vez que era um caso teoricamente difícil e cheio de questões políticas e sociais. Para mim, faltou um desdobramento mais firme e surpreendente, como o restante da história.

No geral, no entanto, O Segredo do Vaticano é uma leitura rápida, cativante, instigante e, até mesmo, reflexiva. Vale, e muito.

o-segredo-do-vaticano-ficha-tecnica

 

 

 

 

 

Trama bem construída, mas poderia ter uma conclusão melhor desenvolvida.

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.