Quatro Estações, de Stephen King | Resenha

livro:
Stephen King

Reviewed by:
Rating:
4
On 09/08/2016
Last modified:05/03/2017

Summary:

Um King muito além do horror!

‘Quatro Estações’: as multifacetas de King

Quatro histórias interessantes, criativas e com personagens intrigantes. Stephen King foge, em boa parte do tempo, do gênero que o consagrou e mostra um talento que transcende o horror nos quatro contos que compõem a obra Quatro Estações, publicado pela Suma de Letras. O livro permeado pelas estações do ano, originalmente lançado nos EUA em 1982, me despertou o interesse pelo fato de ser o local onde se encontra o conto O Corpo, que serviu como base para o filme Conta Comigo, clássico da Sessão da Tarde, um dos meus favoritos. Foi por causa dele, inclusive, que comprei o livro. No entanto, fazem também parte da coletânea outras tramas que foram adaptadas para o cinema, como Aluno Inteligente, que originou o filme O Aprendiz Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank, que, nas telonas, virou Um sonho de Liberdade, além do conto O Método Respiratório.

Quatro Estações Livro resenha

Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank (Primavera Eterna) abre Quatro Estações com a história de Andy Dufresne, um banqueiro que foi para a penitenciária de Shawshank acusado de matar a esposa e o amante. Andy jura inocência e, ao longo dos anos, o leitor acompanha sob a perspectiva de Red, outro detento, as histórias que geraram a criação do mito em torno da figura de Andy Dufresne. Em seguida, conhecemos  Aluno Inteligente (Verão da Corrupção) e a história do adolescente exemplar Todd Bowden, que descobre que o vizinho é, na verdade, Kurt Dussander, um ex-oficial nazista responsável por diversas atrocidades. O que no início se apresenta como uma chantagem, por parte do jovem, se transforma em obsessão e aflora na maldade do ser humano. O Corpo (Outono da Inocência), terceiro conto, retrata uma expedição de quatro amigos para encontrar o cadáver de um jovem morto pelo trem. A história é narrada por Gordie Lachance um destes meninos que posteriormente virou escritor. Durante esta aventura, King trabalha alguns temas, como a morte e a amizade, de forma única. Uma história aparentemente banal, mas repleta de significado. Para fechar, em Inverno no Clube, conhecemos um lugar onde a diversão é ouvir histórias, incluindo o sombrio O Método Respiratório. O conto que mais se aproxima do gênero que consolidou Stephen King.

Quatro Estações é um profundo mergulho na natureza humana; revela medos, esperanças e impulsos. Explora diversas facetas do ser humano, desde seu mais puro desejo de ser livre à sua mais apavorante crueldade. Acompanhamos o dia a dia de personagens comuns e suas histórias envolventes, que prendem o leitor até a última página. Apesar de se distanciar do sobrenatural, King consegue provar a sua diversidade e talento. Afinal, ninguém narra como ele.

9788581051109
‘Quatro Estações’ , de Stephen King / Divulgação

Sou muito fã do autor, porém, um ponto me incomodou no livro e é preciso sinalizar. A falta de objetividade é perceptível em praticamente todos os contos. Alguns trechos, inclusive, poderiam ser retirados, sem fazer a menor falta. A fluidez da leitura é atrapalhada por detalhes desnecessários ou por outras histórias. O conto que inspirou o filme Conta Comigo, por exemplo, é interrompido em dois momentos por trechos de histórias criadas por Gordie Lachance. Uma delas, aliás, é a do campeonato de tortas (que ele conta para os amigos durante a expedição). Uma das minhas cenas favoritas da obra cinematográfica. Confesso que até me emocionei quando li. No entanto, em termos de narrativa de O Corpo, sem o apelo saudosista a que remete a minha pessoa, ela é uma quebra desnecessária.

(Tive que colocar a cena, não resisti!)

Mesmo com esse problema de quebra, O Corpo foi meu conto favorito. Talvez, por já ter um apego emocional da minha infância, afinal, não estou imune a essas influências. No entanto, a história fala sobre amizade de um jeito único, sensível e crível. Não existem pudores. King trabalha a união de um grupo de garotos, a vontade de embarcar em uma aventura, problemas com pais, o luto e a perspectiva de futuro de uma forma diferente do usual e bem interessante. Mesmo tento uma pegada aventureira, o conto tem seus momentos de terror, como a razão que leva os jovens a realizar esta viagem: ver um corpo de um menino morto. Pensando friamente, é algo assustador! Porém, esta curiosidade permeia o imaginário dos jovens. Esta abordagem de amizade é o grande diferencial da obra e o que mais me fascina.

O conto que abre Quatro Estações segue na minha sequência de preferência. A prisão é o cenário proposto por King e o autor questiona a inocência, a recuperação do preso e como um sistema pode ser mais corrupto, dependendo de interesses diversos. Apesar de algumas voltas um pouco excessivas, a trama é bem envolvente e a mais bem narrada. Me agrada a narração do detento Ted e o posicionamento de que ele nem sempre é detentor da verdade. Rita Hayworth e a Redenção de Shawshank foi o conto em que eu senti mais Stephen King como narrador. As suas peculiaridades e seu jeito inconfundível.

Quatro Estações resenha Foto 1

Já Aluno Inteligente abusou um pouco do quesito ficção e foi o conto que eu menos gostei, apesar de eu ter adorado o filme O Aprendiz. A história traz uma temática fascinante (Nazismo e Segunda Guerra Mundial) e bons questionamentos, como a definição de mocinhos e de vilões em uma guerra e até aonde vai o limite da maldade humana. A relação de Kurt Dussander com o garoto é tensa, envolvente e intrigante. Podemos ver a evolução do relacionamento na trama e até este ponto estava muito satisfeito com o que eu lia. No entanto, no fim, a narrativa me decepcionou. Algumas saídas encontradas por King foram fáceis. Coincidências que extrapolam o bom senso, até culminar no inspetor da escola, num momento de tédio, procurando o avô de um aluno na lista telefônica para bater um papo. Para! Tudo bem que é ficção, mas achei surreal. Perdi um pouco o tesão pelo conto a partir daí. Não dava para levar a sério.

OBS: faz mais de 15 anos que eu vi o filme O Aprendiz e não lembro exatamente de como a produção costurou o desfecho da trama. Até procurei para rever, mas não consegui. Se a adaptação manteve essa cena da lista telefônica exatamente como o livro, acho que preciso reavaliar minha opinião sobre o filme.

Enfim, continuando…

Quando falamos de King, pensamos, é claro, no terror. Apesar de o livro Quatro Estações mostrar uma outra faceta do autor, não poderia faltar uma história com uma pegada mais sombria, e O Método Respiratório, que fecha o livro, é este exemplo. A narrativa tem duas vertentes: o misterioso clube e a história que é contada neste espaço: sobre um médico e um novo método para a hora do parto (que dá título ao conto). Demorei um pouco para me situar na trama. Durante a leitura, parecia que a parte que apresenta o clube estava meio exaustiva e desnecessária, porém, após a leitura de O Método Respiratório – que é uma narrativa de tirar o fôlego -, o clube se configurou como algo igualmente interessante. No fim, fiquei querendo até um pouco mais. Esse lugar é impressionante. Um prato cheio para inúmeras outras histórias*.

Quatro estações Inverno no clube

Apesar da independência, os contos têm algumas ligações uns com os outros. É possível ver o personagem do banqueiro Andy Dufresne, no conto Aluno Inteligente. Em O Corpo, vemos referência à prisão de Shawshank. E acredito que devam existir outras conexões. Porém, a que mais causou reflexão foi a máxima “O importante é a história, não o narrador”, presentes no primeiro e último conto. Sério, fiquei bastante tempo pensando nisso! Acredito que a historia tem que ser boa, mas o narrador, na minha opinião, faz toda a diferença e o próprio Stephen King é a prova disso. O modo envolvente como ele apresenta uma história é uma das maiores qualidades do seu trabalho. Todavia, podemos pensar que, se a trama for boa, o narrador pouco importa. Mas será? Ainda tenho certas dúvidas sobre este ponto de vista, no entanto, o ideal deva ser o casamento perfeito entre narrador e narrativa (essa deixo para vocês refletirem!).

No fim, Quatro Estações traz Stephen King contando um pouco do processo de escrita desses textos, assim como as dificuldades de se distinguir a classificação de um conto para um romance. Depois de Sobre a Escrita, confesso que gosto muito de ouvir King falar diretamente com o leitor dentro da sua obra. É sempre muito prazeroso! Um encerramento em grande estilo para uma coletânea que, apesar dos obstáculos de objetividade, presenteia o público com ótimas histórias muito bem narradas e personagens formidáveis.

*O clube é inspirado na Sociedade Crowder, lugar onde um grupo de velhos se reúne, em uma data específica para contar histórias de terror vividas por eles,presente na obra Os Mortos-vivos, de Peter Straub. O conto O Método Respiratório é, inclusive, dedicado ao autor.

Banner Saiba onde comprarLivraria Cultura –  Livraria da TravessaSaraivaSubmarino

Quatro Estações Ficha Técnica

 

 

 

 

 

Um King muito além do horror!

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.