Entrevista: Eduardo Spohr

O Vai Lendo teve o prazer de conversar com Eduardo Spohr, um dos maiores nomes da literatura fantástica nacional

Anjos, deuses, batalhas épicas e muita mitologia. E tudo bem perto de nós. Inclusive, em plena ponte Rio-Niterói, por exemplo. Essa é a magia de Eduardo Spohr, um dos maiores nomes da literatura fantástica nacional, atualmente. Autor de A Batalha do Apocalipse e da série Filhos do Éden (composta pelos títulos Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida, Filhos do Éden: Anjos da Morte e Filhos do Éden: Paraíso Perdido) – todos publicados pela editora Verus, do Grupo Editorial Record -, Spohr, que é formado em jornalismo, encontrou nos livros a melhor maneira de explorar toda a sua inspiração e criatividade, vindas, em grande parte, dos jogos de RPG. Bom para nós, leitores, que viajamos em seus mundos incríveis e bem detalhados e desbravamos novas realidades ao lado de personagens fortes e marcantes. Um dos principais responsáveis por dar mais visibilidade à literatura fantástica brasileira, reunindo literalmente um séquito de fãs, Spohr, agora, vai se aprofundar em sua própria criação e trazer aos leitores um guia especial com curiosidades sobre o universo de Filhos do Éden, previsto para ser lançado ainda este ano.

Filhos do Éden Eduardo Spohr

Em conversa com o Vai Lendo, Spohr adiantou algumas informações sobre o novo projeto, falou das expectativas em relação aos leitores e explicou ainda a questão de abordar diferenças crenças em seus livros e de como isso, para ele, agrega ao seu trabalho, que tem como um das principais fontes de inspiração o autor Neil Gaiman.

“O guia – que, talvez, a gente chame de enciclopédia ilustrada, não sabemos ainda – vai trazer, além de ilustrações de personagens e cenários de Filhos do Éden, informações extras”, afirmou Spohr. “Será como um manual para o universo expandido. Está sendo muito bacana trabalhar nesse projeto, e eu acho que os leitores vão curtir muito também. O maior desafio, no entanto, é o volume de texto, que é muito grande e o nosso prazo é bem curto. Reunir as informações em si não é exatamente um problema, já que o universo dos anjos está muito bem coerente e cristalizado na nossa cabeça (incluo aí o ilustrador, Andrés Ramos). Quanto às crenças, em Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida, inseri muitos elementos do folclore brasileiro e da mitologia indígena. O universo dos meus livros é agregador, todas as crenças têm espaço. Para tal, eu claramente me inspirei em autores como Neil Gaiman, um dos mestres da fantasia para mim”.

Divulgação
Divulgação

Perguntado sobre a possibilidade de seus livros saírem das páginas para as telas, Spohr não faz garantias, mas mostra entusiasmo com a ideia. Reunindo milhares de leitores em todo o país – e também em alguns outros lugares do mundo – , o autor iniciou na carreira literária de maneira independente, publicando seu livro na Nerdstore, loja virtual do blog Jovem Nerd, do qual já atuava como colaborador participando do poadcast Nerdcast. A obra vendeu mais de quatro mil exemplares. Com isso, seu talento e sua narrativa minuciosamente construída e desenvolvida ao longo das páginas logo chamaram a atenção do Grupo Editorial Record. Para Spohr, inclusive, mesmo com todas as dificuldades de se publicar um livro, hoje em dia, há mais chances para os novos autores, principalmente devido ao acesso maior à autopublicação. O importante, ele ressaltou, é não desistir e ter a mente aberta para explorar o mundo.

“Me perece que todos os gêneros literários estão crescendo, não só a fantasia”, declarou. “Então, acho que o momento é ótimo para qualquer um que queira publicar. Diferentemente do que dizem, acredito que as dificuldades são cada vez menores. Hoje, qualquer um pode publicar de forma independente, então, não há barreiras. É só correr atrás. Livros, filmes, quadrinhos e o próprio mundo que nos cerca, tudo isso me inspira. Penso que um artista, seja ele qual for, deve ser, antes de tudo, um observador do mundo e das pessoas e ter um olhar tolerante sobre essas coisas. E principalmente, no caso do escritor, ter vontade de escrever e amor pelo trabalho. Acho que isso serve para todos os gêneros também”.

 Leia também: Eduardo Spohr e Braulio Tavares dão aula sobre literatura fantástica na Bienal do Livro 2015

Eduardo Spohr em bate papo com os leitores na Bienal do Livro 2015/ Foto: Leandro Martins/Light Press/ Bienal do Livro
Eduardo Spohr em bate papo com os leitores na Bienal do Livro 2015/ Foto: Leandro Martins/Light Press/ Bienal do Livro

Bastante antenado e conectado às redes sociais – ele ainda atualiza o blog Filosofia Nerd -, Spohr tem uma relação próxima com seus fãs na internet e faz questão de manter esse contato praticamente diário, na medida do possível. Para o autor, a internet favoreceu uma integração maior da literatura com os próprios leitores, uma vez que criou um ambiente acessível de debate e de encontro do público com um mesmo interesse.

“A internet modificou o mercado editorial brasileiro à medida que democratizou a opinião”, apontou. “Hoje, qualquer um pode ser um resenhista, pode dar a sua opinião sobre um livro, pode conversar com pessoas que curtem a mesma coisa, e isso é ótimo. As obras se tornam mais acessíveis. No que diz respeito à minha relação com os leitores, sinto-me profundamente honrado quando uma pessoa se interessa pelo meu trabalho. O mínimo que posso fazer é responder a essa pessoa, agradecê-la. É isso o que tento fazer sempre”.

 

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.