A Arte da Quietude, de Pico Iyer | Resenha

livro:
Pico Iyer

Reviewed by:
Rating:
2
On 16/11/2015
Last modified:18/11/2015

Summary:

A Arte da Quietude cumpriu com o seu objetivo de, pelo menos, trazer o conceito da viagem para "lugar nenhum" para o debate. Contudo, poderia ter sido melhor desenvolvido.

‘A Arte da Quietude’: uma viagem de autoconhecimento, porém, sem grandes emoções

'A Arte da Quietude', de Pico Iyer / Divulgação
‘A Arte da Quietude’, de Pico Iyer / Divulgação

Correria. Falta de tempo. Quem nunca desejou que o dia tivesse mais de 24 horas só para realizar aquela atividade extra? Se você é daqueles que quase diariamente anseiam por umas horas a mais, que tal uma viagem? Legal, não? É sempre bom sair da rotina e espairecer! No entanto, que tal viajar para “lugar nenhum”? Bem, não fiquem assustados, mas essa sugestão é do escritor especializado em retratar viagens, Pico Iyer. Na obra A Arte da Quietude, segundo volume da série TED Books, publicado pela editora Alaúde, o autor convida o público a fugir da loucura da vida moderna, desacelerando e indo em busca da introspecção, do autoconhecimento.

 A Arte da Quietude cumpre a proposta do TED Books, grandes ideias em rápidas leituras, mas a leitura em si é um pouco cansativa. O autor não traz muitos novos elementos da palestra (que você poderá ver clicando aqui) para o livro e os argumentos que são utilizados, ao longo da obra, ficam repetitivos, o que, se tratando de uma publicação curta, fica mais aparente. Pico Iyer tem grande conhecimento no assunto, isto é inegável, e a sua carreira de “viajante profissional” dá respaldo para o texto, porém, alguma coisa ali não fluiu.

Mesmo com um tema que me despertou interesse (afinal, também vivo na correria), não consegui me envolver o suficiente com a obra. Acredito que, se o autor colocasse mais elementos narrativos e amarrasse melhor as ideias, conseguiria prender mais o público. A sensação que tive foi de ler uma reportagem longa de revista científica, com relatos pessoais.

Apesar desta falta de engajamento, A Arte da Quietude traz uma divisão bem interessante. Entre os capítulos da publicação são inseridas imagens abstratas, como se o livro voltasse para o leitor e dissesse: “Relaxe! Desocupe a mente. Viaje para lugar nenhum!”. É bem convidativo e condizente com a proposta do volume. Uma das melhores sacadas da obra.
Fotografia de Eydís Einarsdóttir que compõe o livro 'A Arte da Quietude'.
Fotografia de Eydís Einarsdóttir que compõe o livro ‘A Arte da Quietude’.
A mensagem do livro, por sua vez, é bem interessante e, certamente, será a luz para várias pessoas que estão com suas rotinas atribuladas. Pensando por esse lado, considero que A Arte da Quietude cumpriu com o seu objetivo de, pelo menos, trazer o tema para debates. Contudo, poderia ter sido melhor desenvolvido.
Pico Iyer / Site TED
Pico Iyer / Site TED

 

Saiba onde comprar:
FnacLivraria CulturaLivraria da Folha – Livraria da TravessaSaraivaSubmarino

A Arte da Quietude cumpriu com o seu objetivo de, pelo menos, trazer o conceito da viagem para "lugar nenhum" para o debate. Contudo, poderia ter sido melhor desenvolvido.

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.