Sobre a Escrita, de Stephen King | Resenha

livro:
Stephen King

Reviewed by:
Rating:
5
On 10/08/2015
Last modified:20/10/2015

Summary:

Uma verdadeira aula sobre a escrita, em que a paixão pelo ofício é o mais importante! Excelente leitura!

‘Sobre a Escrita’: um livro que, acima de tudo, fala da paixão pela arte de escrever

'Sobre a Escrita — A arte em memórias', de Stephen King / Divulgação
‘Sobre a Escrita — A arte em memórias’, de Stephen King / Divulgação

Imagine que você está em uma sala de aula. Talvez, nem goste tanto da disciplina, mas o mestre, que está diante do quadro negro, fala com tanta paixão que lhe hipnotiza. Envolvido, o aluno não vê o tempo passar e, quando o sinal toca, fica aquela sensação de “quero mais”. Não que a aula tenha sido incompleta, pelo contrário, mas ele percebe que cada segundo ali foi valioso, ampliando assim o seu conhecimento. Sobre a Escrita — A arte em memórias, de Stephen King, publicado pela editora Suma de Letras, é um livro que fala sobre o processo da escrita.  A princípio, podemos pensar que a obra é destinada apenas a escritores e aspirantes, no entanto, a didática utilizada por King é tão cativante que todos os fãs de ficção ficarão encantados pelo título, descobrindo curiosidades sobre os bastidores do surgimento de um livro e sobre a vida de um autor. Uma verdadeira aula que envolve o leitor da primeira até a última página, incluindo as notas de rodapé.

Desprovido de esquemas mirabolantes ou modelos prontos para ser tornar uma máquina de criar livros, Sobre a Escrita não apresenta uma “fórmula mágica” para o sucesso. A satisfação do trabalho de escritor está no amor por aquilo que faz, na prática do ofício e, acima de tudo, na honestidade consigo mesmo. Esta é a maior diferença da obra de Stephen King comparada a tantas outras que existem por aí. E isso não é dito da boca para fora. Não tem uma linha sequer que a paixão pela escrita do autor não seja nítida. É encantador.

Sei que é difícil associar o nome do autor a algo que não sejam histórias assustadoras, afinal, King é o mestre do terror, mas Sobre a Escrita quebra este paradigma. Mesmo fã (muito mesmo) de algumas obras dele, fiquei surpreso ao desconstruir toda a imagem de cara sombrio que tinha. Na obra, fui apresentado a um homem esforçado, pai de família – que, acima de tudo, ama a esposa e os filhos -, profissional competente e um excelente professor (que provou ser neste livro). Realmente, tenho que admitir, foi um preconceito idiota. Até porque, não é porque alguém escreve sobre o sobrenatural que deve ser um psicopata/lunático.

Além de falar abertamente dos seus vícios (álcool e drogas), do atropelamento que quase o matou e um pouco sobre como conquistou uma carreira de sucesso (parte que, como fã,  adorei), Stephen King nos oferece várias dicas de como um escritor pode lapidar a arte de contar histórias. Com uma linguagem bem descontraída e, em certos momentos, ácida, o autor aponta algumas questões gramaticais que, segundo ele, prejudicam a fluidez do texto e dá toques sobre como melhorar a escrita. Nada impositivo. Só conselhos de um profissional mais experiente.

Como um bom professor, King exemplifica sua teoria com alguns trechos retirados de outras obras, apresentando o antes e o depois com as suas sugestões. Assim, justifica a sua argumentação, deixando a critério do leitor concordar ou não com ele. O autor também comenta o processo de criação de um livro: do manuscrito, das primeiras leituras e das revisões. No final de Sobre a Escrita, inclusive, ele disponibiliza parte de uma obra com as marcações de revisão. Um ponto positivo da versão brasileira é que ela traz as anotações tanto em inglês como em português destas mudanças e explica a razão da troca de termos ou dos cortes.

A única ressalva diz respeito à questão do agente literário e de como entrar em contato com as editoras, pois os temas estão defasados e distantes da realidade brasileira. O livro foi escrito originalmente no ano 2000 (apesar de ter sido publicado no Brasil em 2015) e obviamente não cita a Internet e os novos meios de divulgação de originais. A questão dos catálogos dos agentes citada por King  me parece algo característico dos EUA, na época; aqui no Brasil não saberia dizer como funcionava. Mesmo assim, este capítulo ainda é válido, pois fala da necessidade do autor de conhecer o seu mercado – algo primordial em qualquer área e tempo – e na necessidade do aspirante a escritor de correr atrás.

Uma das partes mais geniais de Sobre a Escrita é a comparação da escrita com a “telepatia”. No começo, assim que me deparei com o termo, confesso que me pareceu surreal a associação, porém, conforme Stephen King discorria sobre o assunto, consegui captar a mensagem e fiquei arrepiado quando eu, deitado em minha cama, consegui estabelecer contato direto com o autor, em seu escritório, num lapso temporal de uns 18 anos. É fantástico! Uma das experiências mais bacanas que já tive enquanto leitor na minha vida, que reflete a magia dos livros.

Stephen King trabalhando em seu escritório, em Maine, nos anos 80 / Fonte:  npr.org
Stephen King trabalhando em casa no seu escritório, em Maine, nos anos 80/ Fonte: npr.org

É difícil não se derreter em elogios diante de uma obra tão incrível quanto Sobre a Escrita. São experiências, memórias, conselhos, enfim, um grande aprendizado. Porém, os ensinamentos não seriam nada sem o imenso amor pela literatura demonstrado por este mestre da escrita: Stephen King. E isso faz toda a diferença.

Saiba onde comprar:
Amazon – Livraria CulturaLivraria TravessaSaraiva – Submarino 

 

Uma verdadeira aula sobre a escrita, em que a paixão pelo ofício é o mais importante! Excelente leitura!

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.