Eu, Você e a Garota que Vai Morrer, de Jesse Andrews | Resenha

livro:
Jesse Andrews

Reviewed by:
Rating:
3
On 03/07/2015
Last modified:27/08/2015

Summary:

É difícil saber se "Eu, Você e a Garota que Vai Morrer" deve ser amado ou odiado. Em algumas partes, ele é genial e em outras, beira o fracasso. Um contraste que persegue o leitor durante toda a obra. É a típica leitura de extremos. No meio desta indecisão de classificação, a única certeza é que ele deve ser lido.

‘Eu, Você e a Garota que Vai Morrer’: uma montanha-russa cheia de altos e baixos

Eu você e a garota que vai morrer
‘Eu, Você e a Garota que Vai Morrer”, de Jesse, versão digital / Foto: Vai Lendo

Assim como a adolescência, e como o próprio Greg -protagonista do livro- define a sua vida, Eu, Você e a Garota que Vai Morrer, publicado pelo selo Fábrica231, da Rocco, é uma montanha-russa de emoções. Em algumas partes, ele é genial e em outras, beira o fracasso. Um contraste que persegue o leitor durante toda a obra. É difícil saber se a trama escrita por Jesse Andrews deve ser amada ou odiada. É a típica leitura de extremos. No meio desta indecisão de classificação, a única certeza é que ele deve ser lido.

Eu, Você e a Garota que Vai Morrer narra a história de Greg Gaines, um adolescente pouco sociável que deseja passar o último ano na escola totalmente invisível, sem que ninguém o note. Após o primeiro dia,  tudo parece que vai dar certo, até o momento em que sua mãe o convence a ser amigo de Rachel, uma garota recém-diagnosticada com leucemia que, no passado, digamos assim, teve um “rolo” com Greg. Enfim, o livro tinha tudo para ser mais uma história sentimental, de amor e luta pela sobrevivência, mas não é! Ele nem sequer aprofunda o tema “câncer”! Logo nas primeiras páginas, o leitor é surpreendido com uma proposta original, que se define em destruir os clichês de tramas juvenis. Já na introdução, pelo tom de deboche e crítica que o narrador-personagem apresenta a sua vida, é possível notar o diferencial da obra.

A paixão pelo título foi imediata – afinal, gosto de tramas que ultrapassam o convencional-, mas o amor não durou muito. Nos capítulos iniciais, a narrativa inovadora acabou se tornando muito didática: apresenta o modo de vida de Greg, a escola, as pessoas que o cercam. A trama demora a engatar. Ficou explicativo demais para uma proposta que pretende fugir do tradicional. No entanto, o modo como o personagem-narrador conduz a trama é bem crível. Parece que um adolescente realmente está escrevendo o texto.

Gostei especialmente de quando ele se perde no raciocínio e corta abruptamente um assunto, refletindo um comportamento típico da idade. O autor consegue passar muito bem a veracidade do protagonista, porém, Greg, em grande parte da obra, é intragável. A falta de carisma do personagem acaba por prejudicar a leitura. Às vezes, o leitor perde a paciência de acompanhá-lo.

Mas um dos grandes destaques de Eu, Você e a Garota que Vai Morrer é a relação com o cinema. Greg é apaixonado por filmes, e uma de suas maiores diversões, se não for a única, é criar vídeos baseados em produções cinematográficas com o amigo Earl Jackson. As adaptações são divertidas e responsáveis por cadenciar a trama. Além disso, o amor pela sétima arte reflete na forma em que a narrativa é escrita, algumas vezes, em forma de roteiro. Neste quesito, Jesse Andrews soube se apropriar do fato de a história ser contada por um jovem cineasta e, brilhantemente, mesclar diferentes estilos. Em algumas passagens, inclusive, o autor utilizou o formato de tópicos para explicar um fato, agilizando a leitura.

Com a construção deste protagonista, contudo, Andrews desestimula o engajamento com o livro. A história fica chata. Mas, ao mesmo tempo, quando se abstrai o comportamento de Greg e se avalia tudo criticamente, a obra é bem interessante. Eu, Você e a Garota que Vai Morrer quebra a todo o momento as expectativas do leitor. Os personagens fogem dos estereótipos, sem contar a originalidade da narrativa. Isso é fascinante! No entanto, como é impossível ignorar nossos próprios sentimentos durante a leitura, algumas pessoas podem acabar não aceitando totalmente a obra.

A ideia do autor de, na concepção de Greg, trazer um adolescente frio é compreensível e faz total sentido com o desfecho do livro (que, por sinal, é muito bom). Mas, se Jesse Andrews colocasse um pouco de compaixão, por menor que fosse, a trama fluiria de tal forma que poderia ser comparada a um foguete em ascensão.

Para quem não sabe, Eu, Você e a Garota que Vai Morrer foi adaptado recentemente para o cinema, pelo próprio Jesse Andrews, e ganhou os prêmios do público e do júri no Festival Sundance 2015. O filme ainda não chegou às salas brasileiras, mas pelo trailer já dá para perceber que a trama promete ser a redenção do autor (só espero não quebrar as minhas expectativas). O carisma do ator Thomas Mann, que faz o Greg, é nítido no material de divulgação – ele faz um estilo nerd cool, mais agradável do que o personagem descrito no livro -, sem contar que os experimentos cinematográficos de Greg e Earl ficaram bem legais na telona. Vamos aguardar!

Saiba onde comprar:
Amazon – FnacLivraria CulturaLivraria TravessaSaraivaSubmarino

/ Facebook da Editora Rocco
Arte de divulgação “Eu, Você e a Garota que Vai Morrer”/ Facebook da Editora Rocco
É difícil saber se "Eu, Você e a Garota que Vai Morrer" deve ser amado ou odiado. Em algumas partes, ele é genial e em outras, beira o fracasso. Um contraste que persegue o leitor durante toda a obra. É a típica leitura de extremos. No meio desta indecisão de classificação, a única certeza é que ele deve ser lido.

Daniel Lanhas

Apaixonado por histórias, tramas e personagens. É o tipo de leitor que fica obsessivamente tentando adivinhar o que vai acontecer, porém gosta de ser surpreendido. Independente do gênero, dispensando apenas os romances melosos, prefere os livros digitais aos impressos, pois, assim, ele pode carregar para qualquer lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.