Ateneo Grand Splendid: o paraíso literário

Livraria Ateneo Grand Splendid/Vai Lendo
Livraria Ateneo Grand Splendid/Vai Lendo

Imagine uma criança na Disney. Ou um chocólatra numa das lojas da Kopenhagen. Essa foi a nossa sensação ao conhecermos a imponente livraria Ateneo Grand Splendid, em Buenos Aires. Não há lugar mais sagrado para um leitor do que uma livraria. E, quando se trata daquela que foi considerada pelo jornal britânico “The Guardian” a segunda mais bonita do mundo, é quase como se estivéssemos no paraíso. E é justamente sobre esse “templo da leitura” histórico e fundamental para a difusão cultural na Argentina que vamos falar hoje, na segunda matéria de uma série de reportagens especiais sobre o universo literário dos hermanos. Se você gostou da nossa estreia, com o passeio por San Telmo, o “bairro” da Mafalda, conheça um pouco mais sobre o lugar que, para quem é apaixonado por livros, é parada obrigatória no roteiro.

O grupo editorial Ateneo foi criado em 1912, por Pedro García. Pioneiro no que diz respeito à edição e à comercialização de livros na Argentina, rapidamente virou referência cultural no país, com um vasto catálogo de títulos. Atualmente, a cadeia literária é composta de oito livrarias em todo o país, mas é na Avenida Santa Fé – famosa por deter um grande número de sebos e considerada ponto de encontro dos leitores – que encontra-se a principal da rede, a charmosa Ateneo Grand Splendid. O nome, além de fazer jus à imagem do local, refere-se também ao famoso Teatro Grand Splendid, inaugurado em 1903 e comprado posteriormente pelo austríaco Max Glücksmann, em 1919. Com capacidade para mais de 900 espectadores, o teatro apresentava espetáculos – nacionais e internacionais – de grande porte. Após um tempo inativo, o espaço foi alugado em 2000 pelo grupo El Ateneo e, hoje, abriga uma das mais tradicionais livrarias de Buenos Aires. Que bom para nós.

Cúpula e interior da livraria/ Vai Lendo
Cúpula e interior da livraria/Vai Lendo

O nome Ateneo não era particularmente conhecido por nós (e, sim, isso é um absurdo considerando que livrarias são provavelmente alguns de nossos lugares preferidos no mundo). Portanto, ao sermos apresentados à história do lugar e sua importância, logo colocamos em nosso roteiro. E não poderíamos ter feito escolha melhor. Por fora, por mais elegante que seja a sua fachada, é impossível imaginar o que lhe espera lá dentro. Ao entrar no imponente espaço, a primeira impressão é o choque. Depois, o deslumbramento e, em seguida, a ansiedade para começar a desbravar aquelas centenas de estantes recheadas de livros e muitas, mas muitas histórias. Pesquisando sobre o lugar, já esperávamos o requinte de um teatro antigo, mas nada havia nos preparado para isso. Nenhuma palavra conseguirá representar tamanha grandiosidade e beleza. É de deixar qualquer um tonto.

Fachada/Vai Lendo
Fachada/Vai Lendo

Com mais de 120 mil livros em estoque (!!), a livraria recebe aproximadamente três mil pessoas por dia. Além de visitar um templo sagrado da literatura, os visitantes aproveitam também para desfrutar de um belo passeio cultural, uma vez que o prédio em si é praticamente um monumento. Isso porque a livraria manteve a essência e o esplendor do teatro, com a cúpula pintada pelo italiano Nazareno Orlandi, em 1919 – que é a representação alegórica da Paz para celebrar o fim da Primeira Guerra Mundial –, além das varandas originais, a ornamentação e, inclusive, as cortinas de veludo. Impecavelmente decorada e organizada, a livraria possui diversos lugares para aqueles que gostam de passar a tarde em meio a uma boa leitura e uma área especial para as crianças, no subsolo, cuja decoração é das mais delicadas e criativas, criando um universo literário à parte para os pequenos leitores, que são rodeados por desenhos de animais e florestas. Praticamente um reino encantado. Para eles e para todos nós.

Ala infantil da Ateneo/Vai Lendo
Ala infantil da Ateneo/Vai Lendo

Como se tudo isso não fosse o bastante para deixar qualquer leitor em estado de graça, o antigo palco do teatro abriga um charmoso e aconchegante café para que o seu passeio, a sua experiência literária, seja um momento único e inesquecível. Uma verdadeira mistura de cultura e prazer, aquela que só uma boa leitura nos proporciona. O difícil vai ser querer sair de lá (falamos por experiência própria!). Esperamos que tenham gostado de saber um pouco mais sobre a história da Ateneo, tanto quanto gostamos de contá-la a vocês! E, já que estamos falando de livrarias, na próxima semana traremos curiosidades sobre os cafés literários espalhados pela capital argentina! Verdadeiras perdições! Aguardem!

Interior do café/Vai Lendo
Interior do café/Vai Lendo

 

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

3 comentários em “Ateneo Grand Splendid: o paraíso literário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.