Mafalda: patrimônio cultural de todos nós


Viajar é como ler um bom livro. Você descobre lugares incríveis, conhece personagens fascinantes e ouve histórias inspiradoras. Nós, do Vai Lendo, adoramos as duas práticas e resolvemos juntar essas paixões. E, nada melhor do que compartilhar conhecimento e curiosidades com outras pessoas, prazer que uma boa leitura também nos proporciona. Em nossa viagem à terra de Evita Perón, nos deparamos com muitas coisas interessantes do universo literário dos hermanos que não poderíamos deixar de reproduzir para vocês, leitores. Assim, programamos uma série de matérias especiais, diretamente da Argentina. Como já havíamos divulgado, serão quatro reportagens publicadas a cada terça-feira desse mês, começando por hoje, dia 8, com uma garotinha muito inteligente e divertida, que caiu nas graças não só dos argentinos, mas do mundo inteiro, devido aos seus questionamentos sociais e humor bastante peculiar.

Estátua de Mafalda em San Telmo/Vai Lendo
Estátua de Mafalda em San Telmo/Vai Lendo

Ela é baixinha e usa um vestido verde combinando com o seu laçarote de cabelo. Está sentada em um banco, na esquina da Rua Chile com Defensa, esbanjando um sorriso singelo e inocente, como se estivesse feliz somente por estar ali observando a rotina de milhares de pessoas que passam por ela todos os dias e reconhecem seu verdadeiro valor para a cultura da Argentina. O carinho e a admiração pela divertida Mafalda estão estampados pelas ruas de San Telmo, bairro da boemia e da cena alternativa de Buenos Aires, considerado também a área mais antiga da capital da Argentina. No domingo (dia em que visitamos a região) acontece a Feira de San Telmo, a tradicional feirinha de artesanatos realizada desde 1970, que se estende por aproximadamente 1 quilômetro. Logo, é preciso ter paciência para conseguir alguns minutos ao lado da carismática personagem e uma foto de recordação, pois ela é uma das grandes protagonistas desse programa cultural. Ali, é impossível não relembrar das famosas tirinhas de quadrinhos e se sentir parte dessa história, uma vez que, não apenas Mafalda se faz presente no bairro, mas também há representações de outros personagens cômicos dos quadrinhos argentinos espalhados pelas ruas de San Telmo (inclusive no sinal de trânsito), no que foi chamado de Paseo de la Historieta, para homenagear o humor, a criatividade e a autocrítica dos artistas do país. Ou seja, é uma viagem no tempo e na imaginação que encanta pessoas de todas as idades (fizemos praticamente um book de Mafalda e seus amigos, obviamente). Quem ainda não está completamente familiarizado com esta garotinha deve se perguntar o porquê de tanto apelo e comoção, mas garantimos que todo esse reconhecimento é merecido.

Criada pelo cartunista Joaquín Salvador Lavado, mais conhecido como Quino, Mafalda teve sua estreia em setembro de 1964. Preocupada com a humanidade e com a paz mundial, a menina, em pouco tempo, tornou-se uma sensação ao redor do mundo, principalmente por seus comentários e ideias que refletiam as preocupações políticas e sociais dos anos 60. A querida personagem, hoje patrimônio cultural da cidade de Buenos Aires, representava os pensamentos de Quino, que remetiam à realidade argentina. Defensora dos direitos humanos e da democracia, Mafalda também possui humor irreverente e inteligente, dando um tom divertido às discussões. O cartunista ainda criou a família da garotinha (pai, mãe e irmão), além de uma turma de amigos com características pessoais para identificar as diferentes culturas espalhadas pelos bairros portenhos.

Tirinhas da Mafalda
Tirinhas da Mafalda

As tirinhas de Mafalda foram publicadas de 1964 a 1973, através de três veículos, “Primera Plana”, “El Mundo” e “Siete Días Ilustrados”, e posteriormente reunidas em um total de 10 livros. Tida como um símbolo intelectual para debater as questões sociais da época, a personagem, após se despedir do público (em 1973), é utilizada por Quino em campanhas a favor dos direitos das crianças, juntamente com seus amigos, incluindo um pôster encomendado pela UNICEF para ilustrar os 10 princípios da Declaração dos Direitos das Crianças. Para nós foi muito importante conhecer mais a fundo esse ícone literário, bem como constatar que seu legado e seus ideais permanecem no imaginário coletivo. Mafalda não é apenas uma personagem infantil. É uma comoção mundial. Algumas pessoas podem até querer tirar fotos apenas pelo simples prazer de registrar um passeio turístico, ou por simpatizarem com a sua turma, mas o que essa garotinha representou e representa para várias gerações é indiscutível. Não à toa, suas tirinhas já foram traduzidas para mais de 30 idiomas e surpreendentemente (ou não), suas reflexões são inerentes a tempo. Esse é o dom da literatura. A boa história é aquela que nos entretém e nos ensina. Aquela que, não importa o momento, a geração, se mantém atual e nos leva a refletir, a pensar. A sair da comodidade. Mafalda, como qualquer criança, é um aprendizado diário, sincero e apaixonante. Um verdadeiro presente para aqueles que cresceram com sua maneira única e esperançosa de ver o mundo e para todos que ainda terão o prazer de serem apresentados à sua personalidade carismática e contagiante.

Placa em homenagem à Mafalda/Vai Lendo
Placa em homenagem à Mafalda/Vai Lendo

Portanto, caros leitores, nem precisamos dizer que a visita à estátua de Mafalda, inaugurada em 2009, é uma parada obrigatória em Buenos Aires. O monumento está situado justamente no endereço de Quino na cidade durante muitos anos e foi feito pelo artista Pablo Irrgang. Ela é a primeira escultura do já citado Paseo de la Historieta, um projeto aprovado em 2012 que, além da criação de Quino, inclui mais nove estátuas de mestres do humor argentino, que igualmente marcaram a trajetória cultural do país, como Dante Quinterno, Manuel García Ferré, Fernando Sendra, entre outros. São elas: Isidoro Cañones, Largirucho, Matías, o Loco Chávez, Clemente, Chicas Divito, Don Fulgencio, Patoruzú e Gaturro. Para quem gosta de quadrinhos, humor e literatura, a dica é pegar o mapa e conhecer San Telmo a partir do Paseo e seus adoráveis e divertidos personagens! Esperamos que tenham gostado, pois, para nós, foi um prazer imenso não apenas “conhecer” Mafalda pessoalmente, mas também dividir esse momento e um pouco da sua história com vocês! Semana que vem tem mais, num lugar considerado a segunda livraria mais bonita do mundo!

Paseo de la Historieta
Paseo de la Historieta
Mapa do "Paseo de la Historieta", em San Telmo/Divulgação
Mapa do “Paseo de la Historieta”, em San Telmo/Divulgação

 

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

6 comentários em “Mafalda: patrimônio cultural de todos nós

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.