Ed e Lorraine Warren – Lugar Sombrio, de Carmen Reed, Al Snedeker e Ray Garton | Resenha

‘Ed e Lorraine Warren – Lugar Sombrio’: intenso, incômodo e realmente sombrio

Este. Livro. É. Intenso.

Apesar de ter um texto fácil e ágil e de eu ter terminado a obra rápido, foi difícil de ler Ed e Lorraine Warren – Um Lugar Sombrio, de Carmen Reed, Al Snedeker e Ray Garton, publicado pela DarkSide Books. Pensei em parar a leitura diversas vezes! Ponderava esconder o livro para que eu nunca mais o visse. Me senti enojada em certos momentos. Não conseguia ler à noite. A história é tão sombria que eu lia propositalmente enquanto ainda tinha sol. Eu rezava antes de abrir o livro para me sentir protegida. Sim, estou falando sério.

A obra narra um dos casos do casal Ed e Lorraine Warren. O caso dos Snedeker. Após o primogênito, Stephen, ficar doente, a família precisa mudar de cidade para ficar mais perto do hospital onde Stephen se tratava. A casa escolhida como lar tem um passado escuro, mas é o único local que está dentro do orçamento deles. Stephen é o primeiro a ter um pressentimento de que aquela residência era maligna, mas Carmen e Al, os pais, decidem permanecer no domicílio mesmo assim.

O que esta família sofreu é algo inimaginável. Parece mais ficção do que realidade. Só alguém com uma mente muito doentia conseguiria inventar os acontecimentos e ainda por cima com tanto detalhe! Sei que somente ler umas palavras em um texto não é a mesma coisa que vivenciar os eventos. Na verdade, não chega nem perto! Então, eu posso somente tentar imaginar o que foi passar por tudo aquilo que eles passaram.

Mesmo que você não acredite que a história seja verdadeira, duvido que você não fique horrorizado(a) com o que ler, que você não feche o livro em algum momento e reze para que nada disso aconteça com você…

Apesar de tudo, alguns pontos me incomodaram um pouco, principalmente na narrativa. A começar pelo título, “Ed e Lorraine Warren – Lugar Sombrio”, uma vez que o casal raramente aparece durante a obra. Confesso que fiquei até um pouco chocada por eles só aparecerem depois da metade do livro (Ed e Lorraine surgem, de fato, no final do capítulo 22, sendo que a narrativa possui um total de 29 capítulos). A história em si é completamente focada na família Snedeker. Compreendo que este seja o caso, já que Carmen e Al são coautores da obra junto com Ray Garton. O título, então, poderia ser outro, usando, talvez, Ed e Lorraine Warren como parte de um subtítulo porque, desta forma, parece que a história será contada do ponto de vista de Ed e Lorraine, quando, na verdade, a obra é narrada do ponto de vista da família.

Também gostaria de saber o que aconteceu com Stephen. Não quero falar nada sobre este personagem para não dar spoilers, mas Stephen “some” da narrativa, sendo ele muito importante na obra.

Este livro, contudo, é completamente diferente de “Ed e Lorraine Warren – Demonologistas”. Enquanto o primeiro tem uma pegada mais didática, até mesmo na linguagem, este tem um lado mais romanceado. Inclusive, era justamente isso o que eu esperava que fosse o primeiro livro. Então fiquei surpresa com essa mudança.

Por já ter lido outro livro sobre Ed e Lorraine Warren, sei que um simples e inocente pensamento sobre o mal ou o oculto pode convidar essas forças para sua vida, e isto é uma coisa que eu certamente nunca quero vivenciar. Espero que você também não queira.

Renata Bacellar

Cineasta, publicitária, marketeira que sonha em passar seus dias escrevendo! Apaixonada por storytelling, seu mundo, coração e alma estão repletos pela magia dos livros, filmes e músicas...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.