Magnus Chase e os deuses de Asgard – O Navio dos Mortos, de Rick Riordan | Resenha

book:
rick riordan

Reviewed by:
Rating:
5
On 10/01/2018
Last modified:15/01/2018

Summary:

Uma conclusão do jeito que a gente gosta: bem Rick Riordan!

‘Magnus Chase e os deuses de Asgard – O Navio dos Mortos’: o amadurecimento de Magnus, da trama e do autor

Acompanhar a jornada de um heroi é um grande desafio e, ao mesmo tempo, algo muito inspirador. Principalmente quando, nesse meio tempo, você também acompanha o amadurecimento e desenvolvimento do personagem e da trama em si. E percebe o cuidado que o autor teve com a história e seus desdobramentos e, mais ainda, com a mensagem que seria transmitida. Em Magnus Chase – O Navio dos Mortos, terceiro e último volume de sua série nórdica, publicado pela editora Intrínseca, Rick Riordan, mais uma vez, nos presenteia com a sua criatividade e com o seu talento para misturar mitologia e narrativa, quase numa aula divertida de história (guardada a liberdade criativa, obviamente).

Leia a resenha de ‘Magnus Chase – A Espada do Verão’

Magnus Chase – O Navio dos Mortos traz de volta o protagonista que dá nome à série, que agora tem a missão praticamente suicida de enfrentar Loki – após se soltar da prisão – e atrasar o máximo possível o Ragnarök, que irá destruir os nove mundos e todos os deuses e criaturas. Com a ajuda de Sam, Alex, Blitzen, Hearthstone e dos seus amigos do Hotel Valhala, Magnus terá que correr contra o tempo para alcançar o Naglfar, o navio dos mortos preparado por Loki, antes de ele zarpar no solstício de verão. Para derrotar o deus da trapaça, eles terão que recuperar o  hidromel de Kvásir e vencer Loki em nada mais nada menos do que uma competição de insultos.

Como leitora de Riordan há anos, é impressionante como eu senti um amadurecimento do próprio autor durante toda a série. Já comentei isso nas resenhas anteriores, mas acho muito importante destacar como ele tem essa percepção de acompanhar as mudanças do seu próprio público e de abordar os temas que os jovens estão falando hoje e principalmente que precisam ser debatidos. E Riordan soube fazer isso de maneira muito leve e sutil, contemplando praticamente todos os seus personagens. Achei sensacional! A série Magnus Chase tem representatividade e muitos diálogos que, mesmo carregados com aquele humor característico do escritor, conseguem trazer seriedade e nos fazem pensar. Ainda que inconscientemente.

Adoro, por exemplo, que Riordan tenha tido a atenção não apenas de apresentar e expor para os jovens a cultura muçulmana de Samirah, a valquíria, mas também e, mais importante, de explicar seus costumes e tradições. E também as questões dos gêneros fluidos, com Alex, e do preconceito racial, através de TJ. Fora outros assuntos igualmente importantes e necessários, bem como a noção de grupo, família, amizade, força de vontade e superação, que encontramos frequentemente em seus livros. Acho que Riordan cumpre um papel muito importante para os jovens na literatura. De verdade. Além de apresentar a mitologia de uma forma completamente acessível.

Falando da história no geral, O Navio dos Mortos é uma conclusão bastante satisfatória e ainda deixa a gente com aquele gostinho de “quero mais”. Especialmente com personagens tão cativantes e carismáticos, cada qual com a sua própria personalidade marcante. Todos, sem exceção, desde Magnus até os próprios deuses que encaram um papel de coadjuvantes, são capazes de nos arrancar boas risadas e de nos envolver na trama. Acho ótimo Magnus ser um protagonista mais leve e, apesar de ser filho de um deus, bastante humano. Ele entende que sozinho as coisas sempre são mais difíceis, talvez, impossíveis, e sabe que precisa da força dos amigos. Mais do que isso, Magnus respeita as diferenças do seu grupo, entende os dilemas de cada um e reconhece o valor e a importância deles. Uma das coisas de que mais gostei em toda a série foi essa dinâmica e o fato de todos terem um papel a desempenhar.

Leia a resenha de ‘Magnus Chase – O Martelo de Thor’

Magnus Chase e os Deuses de Asgard é tudo o que a gente espera de Rick Riordan. É divertida, emocionante, cheia de aventuras, fantasia e de muita mitologia. E o melhor de tudo: não tem idade. Pelo menos, não para mim, que sempre estarei ansiosa para embarcar em mais uma de suas aventuras.

Leia também: Semana Especial Intrínseca – Rick Riordan

 

 

 

 

 

Uma conclusão do jeito que a gente gosta: bem Rick Riordan!

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.