Jornalistas criam série de ficção científica em formato de light novel para web

O Vai Lendo conversou com Thomaz Alves e Vanessa Bastos, criadores do site Eu Faço Você Lê, voltado para arte, literatura e cultura pop, sobre a série literária ‘Robotizando’, lançada exclusivamente na web

Duas mentes criativas e talentosas que compartilham não apenas as habilidades, mas também a vontade de mostrar o seu trabalho para o maior número de leitores. Assim nasceu o site Eu Faço Você Lê, idealizado pelos jornalistas Thomaz Alves e Vanessa Bastos. Dedicado especialmente a literatura, arte e cultura pop, o portal tem ainda um diferencial muito bacana: a série literária de ficção científica Robotizando, criada pela dupla – ele, roteirista e ilustrador e ela, roteirista também e editora -, que conversou com o Vai Lendo sobre o projeto.

vanessa e thomaz600
Os jornalistas Thomaz Alves e Vanessa Bastos são os criadores da série de ficção científica ‘Robotizando’, exclusiva para web/Foto: Reprodução

Voltada para o público juvenil, Robotizando aborda principalmente temas como ciência, vida escolar, maturidade, família e amor. Lançada semanalmente ao sábados, no próprio site, a série já conta com 12 capítulos, e Thomaz e Vanessa já garantiram a continuação, no ano que vem. Com influências de obras como Impacto Profundo, A.I. – Inteligência Artificial e Metrópolis, além da HQ Machine Man, de Jack Kirby, e do livro SuzumiyaHaruchi no Yüutsu, de NagaratuTanigawa e Noizi Ito, Robotizando segue a linha das light novels – romances leves baseados na cultura pop japonesa – e acompanha a vida de Max, um garoto meio diferente dos demais. Amante da ciência, ele é surpreendido, durante seus experimentos com um robô, ao lhe despertar consciência própria. A partir daí, juntos, eles tentam entender o que aconteceu e superar os obstáculos e adversidades da vida.

“A Vanessa teve a ideia da obra e do projeto”, explicou Thomaz. “Mas, quando conversamos a respeito, sabíamos que era algo muito diferente do padrão. Difícil para autores iniciantes publicarem normalmente. Procuramos um formato de publicação que fosse inovador, igual a nossa série. Foi quando achamos uma matéria falando sobre light novels e percebemos que era o formato que procurávamos. A partir daí, estudamos e lemos muitas referências para criar a série nesse formato. Trazer o estilo para o Brasil está sendo uma experiência bacana, diferente e desafiadora. A principal dificuldade tem sido na inclusão desse novo formato no mercado brasileiro. Como é relativamente novo ainda, algumas pessoas simplesmente não leem por certo preconceito e outras, quando o fazem, não entendem bem o que é. Apesar disso, a aceitação da maior parte do público está sendo muito boa. Até agora, o feedback no site e nas redes sociais só nos faz querer seguir em frente e produzir mais. Esse formato lança mão de textos mais simples, com uma predominância de diálogos e ilustrações inspiradas em mangá, permitindo uma maior leveza na forma de ler a obra. Isso possibilita uma aceitação maior por parte de quem não tem o hábito da leitura, mas quer se aventurar por esse nicho”.

Robotizando_Arte_Divulgacao_01c
‘Robotizando’ é pensada no formato light novel, romances leves baseados na cultura pop japonesa/Foto: Divulgação

Ainda sem maiores pretensões que não sejam ter o trabalho conhecido e reconhecido pelo público, Thomaz e Vanessa optaram pela publicação independente e gratuita, totalmente online. Para eles, essa é a melhor maneira de se alcançar novos leitores. Contudo, eles não descartam uma publicação impressa no futuro, caso haja interesse.

“Lançar nossa obra na internet, de forma gratuita, nos permite alcançar novos leitores mais facilmente por ser atrativo”, declararam. “Uma das grandes dificuldades de trabalhar com literatura de forma independente é justamente conseguir visibilidade perante o leitor em potencial. Dessa forma, a internet, apesar de não lucrativa (da forma como fizemos), nos dá essa oportunidade. Se houver interesse razoável do público, vamos fazer uma edição impressa, sim. O formato físico nos oferece novas oportunidades de explorar a obra, que não são possíveis na internet. O projeto da série Robotizando foi disponibilizado em forma de seriado para que houvesse uma continuidade e pudéssemos ter uma resposta em tempo real dos leitores.  Nós queremos alcançar o público que gosta de séries literárias, light novel e ficção cientifica. É claro que, num plano geral, toda a categoria dos aficionados por literatura, pois a nossa paixão é escrever, é levar histórias para o imaginário das pessoas para que elas possam se distrair, conhecer coisas novas e criar outras a partir do que leram”.

Robotizando_Arte_Divulgacao_03
A série é gratuita e lançada semanalmente, aos sábados, no site da sua dupla de criação, o ‘Eu Faço Você Lê’/Foto: Divulgação

O cuidado com a qualidade do produto que oferecem é fundamental, Thomaz ressaltou. Tanto que, embora cada um tenha a sua própria função no desenvolvimento do projeto, tudo é feito em conjunto e passa por um processo minucioso de revisão e aprovação de ambos. As ideias, por sua vez, são discutidas e aperfeiçoadas em reuniões da dupla, que se encontra algumas vezes por semana, até que haja um consenso para dar início à produção. Por isso mesmo, ainda que o formato em que trabalham seja relativamente uma novidade aqui no Brasil, eles acreditam que há espaço no mercado editorial do país, desde que seja um bom conteúdo oferecido. Assim, eles seguem na busca pela realização do sonho de continuar a criar e produzir, atingindo o maior número de leitores possível, não apenas com Robotizando, mas também projetos futuros.

“Tem espaço, sim”, garantiram. “Há enorme potencial. O que importa é termos literatura de qualidade, independente de como ela venha. Pelo menos, nós, enquanto autores/leitores, pensamos, desejamos e almejamos que, cada vez mais, haja riqueza na pluralidade do universo literário brasileiro. A ideia do site surgiu justamente da necessidade de termos uma plataforma para publicar o nosso trabalho, onde pudéssemos ter total liberdade para experimentar e produzir, bem como um meio para o público nos conhecer, conhecer as nossas ideias e dar a sua opinião sobre o que fazemos. Temos planos para expandir a série e criar algumas coisas novas muito em breve, como contos e uma HQ, mas não vamos deixar a série de lado, ela é o nosso abre alas para todos os outros projetos que virão depois. Produzir, produzir e produzir…. É o que queremos e nos deixa felizes”.

Robotizando_Arte_Divulgacao_04
‘Robotizando’ já conta com 12 capítulos já publicados/Foto: Divulgação

Curtiu o projeto e seus criadores? Então confira o vídeo exclusivo que eles fizeram para o Vai Lendo:

 

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada “literariamente”. Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de “A Bela e a Fera”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.