‘Limbo’, a estreia fantástica de Thiago d’Evecque na literatura

Livro traz diversas referências da cultura nerd que marcaram o autor

Thiago d'Evecque, autor de 'Limbo'
Thiago d’Evecque, autor de ‘Limbo’

Às vezes, uma simples referência já basta para que uma determinada história adquira um valor especial para o leitor, por remetê-lo à lembrança de alguma fase única e marcante em sua vida. Imagine, então, um livro pensado basicamente a partir dessas referências? Pois foi isso o que o jornalista e escritor carioca Thiago d’Evecque pensou ao escrever Limbo, sua obra de estreia, descrito como o próprio como “uma carta de amor, uma grande homenagem às influências que o marcaram”. Misturando elementos de videogames, RPG, HQs, animes, mangás, filmes, séries e, claro, livros, Thiago criou um verdadeiro tributo à cultura nerd, agregando ainda mais valor à literatura fantástica nacional. Em conversa com o Vai Lendo, ele falou sobre o processo e as dificuldades em se lançar no mercado editorial, especialmente no formato digital e de maneira independente, e de como espera que os leitores se identifiquem com a obra.

“Eu amo essas pequenas homenagens ao que me marcou”, disse Thiago. “Mas o leitor não é obrigado a reconhêce-las para aproveitar a leitura. Uma coisa que eu pensei foi que, se eu fizer um livro apenas para quem pegar todas as referências, vou escrever só para mim. As referências são ótimas para quem as pesca e invisíveis para quem não, e esse fato em nada diminuirá a sua experiência de leitura. O negócio das referências são as conexões feitas pelo leitor, que podem acrescentar ainda mais valor à obra”.

De Dragon Ball a Final Fantasy, passando por Dungeons & Dragons e Matrix, Limbo foca na ação e no mistério para surpreender o leitor e prendê-lo a cada página, abordando a questão de para onde vão todas as almas após a morte, principalmente aquelas que ainda têm a impressão de estarem vivas. A trama acompanha um dos espíritos residentes no Limbo que acorda sem nenhuma lembrança de sua identidade e, ao descobrir que a Terra pode ser destruída pelos próprios humanos, é designado de enviar 12 almas heroicas de volta para resolver a situação. Outro diferencial da trama é o fato de ela não possuir uma estrutura convencional e apresentar histórias dentro das próprias histórias, com arcos diferentes a cada capítulo que serão devidamente concluídos no desfecho. Segundo o autor, o livro é inspirado principalmente no jogo Shadow of The Colossus, no qual o protagonista sai à caça de monstros gigantes a partir de um enredo como pano de fundo, mas também absorveu um pouco de outras tramas para desenvolver as características e personalidades dos personagens.

'Limbo', de Thiago d'Evecque
‘Limbo’, de Thiago d’Evecque

“Eu não sei de onde tirei isso (a história em si)”, explicou. “Mas sei que, depois, tive a ideia de costurar diversas referências a tudo o que me marcou. Acho que o processo criativo, na verdade, é isso: juntar tudo o que está na sua frente, ou na memória, e criar algo novo. Muitas referências simplesmente surgem, não foram algo que fiz conscientemente. Sobre o enredo, ele surgiu aos poucos. Eu delineei algumas coisas antes, mas, em seguida, tudo foi se encaixando”.

Determinado, Thiago declarou que trabalhou sem nenhum tipo de suporte, contando apenas com a ajuda da namorada para a revisão. Depois de contratar uma capista e outra pessoa para fazer o copidesque, tudo por conta própria, finamente, conseguiu publicar o seu primeiro livro. Mas ele destacou ainda o apoio, em suas palavras, inestimável no pós-lançamento, que consiste na parceria com blogueiros e de outros colegas escritores, principalmente do Clube de Autores de Fantasia, que, de acordo com o escritor, fazem questão de amparar os escritores iniciantes.

“O que eu mais quero é fazer Limbo chegar aos leitores”, afirmou Thiago. “A divulgação, na verdade, é o grande desafio para mim, pois eu me encaixo, como autor, em diversos estereótipos de ‘pré-conceito’ nessa área literária, como ser um autor nacional, por exemplo, além de independente, de ser um livro em formato digital, de fantasia, além de ser também a minha primeira obra. Lançar um livro digitalmente tem suas vantagens e desvantagens, mas é uma boa opção para quem está começando, principalmente por dar uma liberdade maior de escolha ao próprio leitor. Mas requer muito trabalho, além da escrita. Quem publica por conta própria deve prezar pela qualidade”.

Assista ao booktrailer de Limbo:

Para Thiago, a melhor parte de todo o processo, além de ver a obra “tomar vida”, é o contato, o retorno obtido dos leitores, que faz valer a pena todos os desafios e provações de quem se aventura por um mercado tão competitivo.

“Esse retorno é a melhor parte de escrever um livro”, ressaltou. “As pessoas estão gostando (de Limbo). Ouvir uma pessoa falar o quanto gostou de uma metáfora maluca que você criou me dá uma sensação de dever cumprido inigualável. Ver os leitores citando alguma passagem ou alguma frase sobre a história que eu bolei, sabe? É uma sensação que o dinheiro não compra”.

Saiba mais sobre a obra aqui.

Confira a sinopse de ‘Limbo’:

O Limbo é para onde todas as almas vão após a morte. Além de humanos, deuses esquecidos e espíritos lendários também vagam pelo plano. Muitas almas sabem exatamente onde estão e por que; a maioria, entretanto, ainda tem a impressão de estar viva. A morte é um hábito difícil de se acostumar.

Um dos espíritos residentes no Limbo acorda sem nenhuma lembrança de sua identidade. Ele descobre que a Terra está prestes a ser destruída pelos próprios humanos e fica encarregado de enviar doze almas heroicas de volta. Elas reencarnarão no plano dos homens e tentarão reverter o quadro apocalíptico.

Contudo, poucas almas encaram o retorno com bons olhos. O espírito deve, então, forçá-las. Armado, de preferência. Assim, resolve visitar um velho amigo: Azazel, anjo ferreiro e primeiro escolhido da lista.

O espírito descobre mais sobre quem realmente é, ouve uma versão completamente diferente sobre a rebelião dos anjos e é presenteado com uma surpresa de péssimo gosto.

LIMBO mistura elementos e referências de videogames, RPGs, HQs, animes, mangás, filmes, séries e livros. De Loveraft a Final Fantasy, é uma homenagem às influências que marcaram o autor.

Saiba onde comprar:
Amazon

Juliana d'Arêde

Jornalista de coração. Leitora por vocação. Completamente apaixonada pelo universo dos livros, adoraria ser amiga da Jane Austen, desvendar símbolos com Robert Langdon, estudar em Hogwarts (e ser da Grifinória, é claro), ouvir histórias contadas pelo próprio Sidney Sheldon, conhecer Avalon e Camelot e experimentar a magia ao lado de Marion Zimmer Bradley, mas conheceu Mauricio de Sousa e Pedro Bandeira e não poderia ser mais realizada "literariamente". Ainda terá uma biblioteca em casa, tipo aquela de "A Bela e a Fera".

Um comentário em “‘Limbo’, a estreia fantástica de Thiago d’Evecque na literatura

  • 17/07/2015 em 15:41
    Permalink

    Juliana e toda equipe do Vai Lendo,

    agradeço imensamente o espaço e o apoio de vocês à literatura nacional. Muito obrigado, de verdade.

    Ficou tudo LINDÍSSIMO, por isso é uma pena ter fotos minhas aí no meio hahaha.

    Vocês é que são os fantásticos.

    Abraços

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.